Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º

AM de Lisboa recorda sacerdote como "figura ímpar" da cidade e do país

A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou hoje um voto de pesar pela morte do padre António Vaz Pinto, recordando-o como "uma figura ímpar", que liderava pelo "espírito de missão e amor à Igreja".

AM de Lisboa recorda sacerdote como "figura ímpar" da cidade e do país
Notícias ao Minuto

16:27 - 05/07/22 por Lusa

País António Vaz Pinto

"Era uma figura ímpar da cidade de Lisboa e de Portugal, tantas foram as obras que idealizou, inovou, impulsionou, batalhou e transformou", é referido no voto de pesar, apresentado pela mesa da Assembleia Municipal de Lisboa, presidida por Rosário Farmhouse (PS), e aprovado por unanimidade, com a realização de um minuto de silêncio.

Com raízes familiares em Arouca, no distrito de Aveiro, o padre António Vaz Pinto nasceu em Lisboa, em 02 de junho de 1942, e faleceu no dia 01 de julho, aos 80 anos, no Hospital de Santa Maria, também na capital, na sequência de doença prolongada.

"Neste voto de pesar, honramos o homem, o sacerdote, a figura pública, o amigo, o próximo. Reconhecemos a marca de uma vida plena, entusiasmada e enérgica", lê-se no voto, que destaca a personalidade do padre como "extrovertida, vigorosa, corajosa, perseverante e convicta".

O órgão deliberativo do município da capital do país realça que António Vaz Pinto, que foi capelão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa em 2014 e Alto Comissário para as Migrações e Minorias Étnicas, entre 2002 e 2005, "era um inspirador e agregador de vontades, um comunicador e contador de história, um homem entusiasmado pela vida".

"Liderava pelo exemplo e pelo serviço, pelo espírito de missão, pelo amor à Igreja. Era um inquieto, animava-o a necessidade de responder aos desafios do tempo com exigência e responsabilidade", lê-se no voto de pesar, lembrando o percurso do padre com um trabalho de "grande visibilidade".

Indicando que o sacerdote utilizava muito a palavra "formidável", a assembleia municipal defende: "Esta é a ocasião para afirmar - Que a vida formidável o padre António Vaz Pinto viveu!"

"O padre António Vaz Pinto, através da sua vida, fez o mundo avançar", considera o órgão deliberativo do município de Lisboa.

António Vaz Pinto foi responsável pela criação e implementação de várias obras da Companhia de Jesus, entre as quais se destacam os Leigos para o Desenvolvimento (1986), o Centro São Cirilo (2002), no Porto, e o Centro Universitário Padre Manuel da Nóbrega (1975-1984), em Coimbra, e mais tarde o Centro Universitário Padre António Vieira (1984-1997), em Lisboa.

Foi também reitor da Comunidade Pedro Arrupe, em Braga, onde os jesuítas fazem parte da sua formação, e ainda reitor da Basílica do Sagrado Coração, na Póvoa do Varzim. Dirigiu o Centro de Reflexão e Encontro Universitário Inácio de Loyola, no Porto, foi assistente nacional da Comunidade de Vida Cristã (CVX) e foi também o presidente da direção do Centro Social da Musgueira, em Lisboa.

Do percurso de António Vaz Pinto destaca-se ainda participação na criação do Banco Alimentar contra a Fome, em 1992, e o cargo de Alto Comissário para as Migrações e Minorias Étnicas, entre 2002 e 2005.

Em 30 de janeiro de 2006 foi distinguido pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, com a Grande Oficial Ordem Infante D. Henrique.

Publicou sete livros sobre teologia, filosofia e vida cristã, e dois de memórias, onde conta a história da sua vida.

O padre António Vaz Pinto estava, atualmente, e desde 2019, na comunidade dos jesuítas em Évora, onde era capelão da Santa Casa da Misericórdia.

Leia Também: Padre Vaz Pinto. Marcelo recorda "arauto inspirador de causas"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório