Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2022
Tempo
31º
MIN 17º MÁX 32º

Ambientalistas saúdam fim dos motores de combustão a partir de 2035

Ambientalistas saúdam a decisão sobre o fim da venda de veículos de combustão em 2035, mas alertam que o eventual uso de combustíveis sintéticos são "um desvio" que deve ser evitado, indica hoje a associação Zero em comunicado. 

Ambientalistas saúdam fim dos motores de combustão a partir de 2035
Notícias ao Minuto

09:06 - 29/06/22 por Lusa

País Zero

"O fim do motor de combustão é uma grande notícia para o clima e para a saúde. Mas novas propostas sobre combustíveis são um desvio", refere o comunicado da associação ambientalista Zero.

No mesmo sentido, esta associação ambientalista defende que não se pode "perder mais tempo" com combustíveis sintéticos, e que os esforços devem concentrar-se na implementação da infraestrutura de carregamento, na requalificação dos trabalhadores para a transição elétrica e no fornecimento responsável de material para baterias.

Apela, a associação, a uma "transformação rápida da indústria automóvel portuguesa no sentido de começar a produzir veículos elétricos com urgência e esquecer de vez os enormes e pesados automóveis híbridos plug-in, ainda fomentados por uma fiscalidade inadequada no nosso país".

Os 27 Estados-membros da União Europeia (UE) aprovaram na terça-feira à noite um plano que impede a venda de novos veículos movidos a gasóleo ou a gasolina a partir de 2035.

A medida pretende reduzir para zero as emissões de dióxido de carbono (CO2) dos automóveis novos a partir de 2035.

A pedido de alguns países, incluindo a Alemanha e a Itália, a UE concordou, contudo, em considerar dar 'luz verde' no futuro para tecnologias alternativas, tais como combustíveis sintéticos ou híbridos 'plug-in', se estas forem capazes de alcançar o objetivo de eliminar completamente as emissões de gases com efeito de estufa dos veículos.

"As associações de ambiente, incluindo a Federação Europeia de Transportes e Ambiente de que a Zero faz parte pedem agora aos eurodeputados que não deem qualquer possibilidade de fomentar os combustíveis sintéticos, que também são mais caros e implicam um uso muito menos eficiente de eletricidade renovável do que a eletrificação direta, devendo ser direcionados para outros modos de transporte como a aviação", acrescenta a associação.

A data de 2035, embora ainda não oficial, está em consonância com aquela preconizada pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia, com quem os países terão de negociar as regras finais.

Leia Também: UE aprova plano que impede venda de veículos a combustão após 2035

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório