Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 24º

Setúbal. Morte de Jéssica é mais um caso "doloroso", diz Marcelo

Marcelo Rebelo de Sousa diz que “muitas vezes falamos na miséria económica”, vincado que essa faz-se acompanhar muitas vezes da “miséria moral, que também merece uma reflexão”.

Setúbal. Morte de Jéssica é mais um caso "doloroso", diz Marcelo
Notícias ao Minuto

16:46 - 23/06/22 por Marta Amorim

País Menina setúbal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sublinhou não querer falar de nenhum caso concreto - quando questionado sobre o caso de Jéssica, a menina morta em Setúbal-  mas lembrou que “muitas vezes falamos na miséria económica”, vincado que essa faz-se acompanhar muitas vezes da “miséria moral, que também merece uma reflexão”.

“Não queria referir-me a casos concretos e dolorosos, muito dolorosos. É uma preocupação de todos os portugueses há muito tempo, o cuidado das crianças, a proteção, o acompanhamento daquelas que estão mais frágeis, mais dependentes, e portanto mais suscetíveis de serem exploradas”, vincou Marcelo.

O Chefe de Estado defendeu a necessidade de se pegar nos casos mais mediáticos e chocantes para os analisar e tirar ilações para combater situações futuras.

“O que todos esperamos nestes casos é que se pegue nos que surgem, os que são conhecidos e não sabemos se há muitos mais, (…) e retiremos as lições quanto aquilo que por um lado deve haver de acompanhamento dos mais frágeis por instituições, por outro lado o que há de valores. (…) Muitas vezes falamos na miséria económica e financeira, depois há uma miséria moral (…) e ela só por isso também merece uma reflexão”.

Também a ministra Mariana Vieira da Silva, na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, abordou o tema.

“Obviamente, aquilo que aconteceu é algo que choca todos, qualquer um de nós, e depois o caso em concreto tem um local próprio para ser investigado e para procurarmos sempre as falhas, as falhas no sistema e não relativas ao caso concreto para que possam ser corrigidas”, disse. 

Recorde-se que, depois de informar acerca das detenções da alegada ama e de mais duas pessoas (o marido e a filha da suspeita), a Polícia Judiciária (PJ) confirmou a existência de uma dívida, que levou os suspeitos a raptar a criança. Os três estão indiciados por rapto, extorsão, ofensas à integridade física e homicídio qualificado.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, João Bugia, disse que a mãe da menina foi "ardilosamente enganada" e levada a entregar a filha por conta de uma dívida de 400 euros que tinha para com a suspeita.

"A mulher agora detida convenceu a mãe a levar a criança a sua casa com o pretexto de que a menina poderia ficar a brincar com a neta, da mesma idade, enquanto conversavam sobre a dívida", referiu o coordenador, indicando que não foi depois permitido à mãe levar a criança de volta para casa.

Nos cinco dias em que a criança permaneceu na casa dos detidos, terá sofrido maus-tratos severos.

A morte da menina ocorreu na segunda-feira, depois de a mãe ter ido buscá-la a casa da suspeita, identificada pela progenitora às autoridades como ama da criança. A criança foi assistida na casa da mãe e transportada ao Hospital de São Bernardo, onde foi sujeita a manobras de reanimação, mas não sobreviveu aos ferimentos.

[Notícia atualizada às 17h02]

Leia Também: Ministra diz que morte de criança em Setúbal "choca todos"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório