Meteorologia

  • 29 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 24º

"Pior que pode acontecer é adoecer ou ter acidentes em agosto"

A diretora-geral da Saúde apresentou hoje, em Alpiarça, o plano de contingência para o verão, o qual junta várias entidades em campanhas para a prevenção de situações que aumentam o risco de doenças ou de acidentes nesta época do ano.

"Pior que pode acontecer é adoecer ou ter acidentes em agosto"

O programa, criado em 2004, tem este ano quatro eixos, juntando-se aos riscos das altas temperaturas, da elevada concentração de população em determinadas zonas do país, como o Algarve, e dos comportamentos de risco, um específico sobre a covid-19.

Graça Freitas salientou a importância da informação recebida dos diversos parceiros, cerca de duas dezenas, para a tomada das "melhores decisões" e para comunicar "com clareza" com as populações.

As campanhas abordam questões que se prendem com os efeitos das altas temperaturas, com comportamentos de risco e com o aumento sazonal da população em determinadas zonas do país, os quais aumentam os riscos de doença e de acidentes, com reflexos na procura das urgências hospitalares, disse.

"O pior que pode acontecer é adoecer ou ter acidentes em agosto", disse.

As campanhas do programa "Juntos por um verão seguro 2022" abordam temas como os cuidados em viagem, a necessidade de hidratação, a prevenção de acidentes e de consumos aditivos.

Graça Freitas referiu situações como afogamentos, lesões provocadas por mergulhos, intoxicações alimentares, infeções por transmissão sexual, habituais nesta época do ano.

Na sessão de hoje estiveram presentes alguns meios da proteção civil, salientando Rui Pereira, do Instituto de Socorros a Náufragos a disponibilização de 29 viaturas e oito moto-quatro nas praias com maior registo de acidentes.

Teresa Brandão, do Instituto Nacional de Emergência Médica, sublinhou o reforço de meios nas zonas de maior concentração populacional e nos festivais de verão, bem como dos profissionais no Centro de Orientação de Doentes Urgentes, frisando que os meios "são diminutos", sendo feito "o que é possível".

Para Duarte da Costa, presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, a aposta deve estar na prevenção e numa "grande capacidade de comunicação".

A presidente da Câmara de Alpiarça (distrito de Santarém), Sónia Sanfona, apontou a importância de "mensagens claras", pois as pessoas "tendem a cumprir o que lhes faz sentido".

"É essencial que as populações se sintam seguras e que tenham confiança nos serviços que o Estado assegura", disse.

Leia Também: Estatuto do SNS vai ser aprovado em julho. PCP critica estado do setor

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório