Meteorologia

  • 09 DEZEMBRO 2022
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 18º

Semana de quatro dias? "É uma farsa política do pior"

Manuela Ferreira Leite comentou a possibilidade de se reduzir a semana de trabalho de cinco para quatro dias, argumentando que a medida "não tem hipótese nenhuma de execução".

Semana de quatro dias? "É uma farsa política do pior"

Manuela Ferreira Leite, ex-líder do PSD, comentou, esta quinta-feira à noite, na CNN Portugal, uma das 70 medidas que integram a Agenda do Trabalho Digno, nomeadamente a possibilidade de se reduzir a semana de trabalho de cinco para quatro dias.

Numa altura em que Portugal está a iniciar um governo de maioria absoluta, Ferreira Leite salientou que "a última coisa que o país precisa neste momento é de estudos", esclarecendo que "muito concretamente se sabe exatamente quais são os problemas que existem", apontando a "falta de competitividade", como um aspeto "fundamental e prioritário" de empobrecimento. 

"Tomar decisões nesta área desta forma, dá-me a sensação daquele tipo de motoristas que entram pela faixa errada da autoestrada e vão pelo sentido contrário", expressou a ex-líder do PSD, frisando que "estamos neste momento numa farsa política do pior".

A antiga ministra das Finanças comentou que "quer-se encobrir outros temas" e explicou que este surgiu, "simplesmente como estudo", porque o partido Livre, que tem uma representação na Assembleia da República (AR) com um deputado, "se presta ao triste espetáculo e papel de fingir que é a oposição da Assembleia e que o Governo negoceia com ele". A seu ver, "a negociação do Governo está traduzida num acordo com um deputado da AR para mostrar que a maioria absoluta cede certas coisas e faz um anúncio que não tem o mínimo das possibilidades de vir à luz do dia seja em que situação for".

"Os jovens não ficam pelos quatro ou cinco dias, [ficam] é pelos níveis de vencimentos", disse, acrescentando: "Se eu esmiuçasse a medida em si, ela acabava já porque é evidente que iria perguntar como é que seria possível fazer isto no setor público também".

Na opinião de Ferreira Leite, "estamos mesmo a brincar porque não é possível ser exequível", visto que "o maior empregador precário neste país é o Estado", logo, na sua ótica, esta medida "não tem hipótese nenhuma de execução".

Constança Urbano de Sousa, ex-ministra da Administração Interna, marcou presença ao lado de Manuela Ferreira Leite, onde defendeu que a semana de quatro dias de trabalho "é algo muito crucial para podermos reter trabalhadores mais jovens", devido ao facto de permitir a possibilidade de "conciliação entre a vida familiar e a vida laboral". 

Nas suas palavras, "sem termos novas formas de organização de trabalho que permitam aos jovens uma melhor conciliação entre a sua vida pessoal e profissional, dificilmente ultrapassaremos um dos grandes desafios que é o inverno demográfico". Como tal, "temos que estudar sem receio", disse.

Leia Também: TI "desapontada" com falta de cumprimento das recomendações do GRECO

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório