Meteorologia

  • 06 JULHO 2022
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 34º

Crise inflacionista? Marcelo reconhece que os "bens estão mais caros"

No âmbito de mais uma recolha de alimentos promovida pelo Banco Alimentar contra a Fome, o Presidente da República disse acreditar na "generosidade dos portugueses", esperando que desta vez a quantidade oferecida seja "a mesma ou maior" que no ano passado.

Crise inflacionista? Marcelo reconhece que os "bens estão mais caros"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este sábado, em declarações à comunicação social, que perante uma realidade em que os "bens estão mais caros" e existe uma "maior necessidade de apoio" no contexto da sociedade portuguesa, os portugueses vão mobilizar-se para "contribuir" no âmbito da campanha de recolha promovida pelo Banco Alimentar contra a Fome.

Salientando que, este ano, será necessária uma "resposta reforçada" para ajudar as cerca de "2.500 instituições" que prestam auxílio alimentar aos cidadãos nacionais, o chefe de Estado destacou que os "portugueses percebem" essa necessidade.

Isto porque, no ano de 2021, "mais de dois milhões de pessoas" se encontravam em "risco de pobreza" - o que, como apontou Marcelo Rebelo de Sousa, corresponde a cerca de "20% dos portugueses". Fatores como a "pandemia", a "guerra na Ucrânia" e a "imigração" contribuem para que o apoio a prestar por "entidades como o Banco Alimentar" tenha de ser mais robusto, salientou.

Recordando que, no ano passado, os portugueses doaram "1.680 toneladas" ao Banco Alimentar contra a Fome (que apoiaram cerca de 280 famílias carenciadas), o Presidente da República disse acreditar na "generosidade dos portugueses", esperando que desta vez a quantidade oferecida seja "a mesma ou maior".

Questionado se a sua participação nesta campanha poderia influenciar mais pessoas a aderirem à mesma, o chefe de Estado referiu que os portugueses já "sabem o que faz esta obra", pelo que não precisam de influência para se juntarem a esta iniciativa.

Considerando que ajudar o Banco Alimentar contra a Fome na sua missão é "essencial", Marcelo Rebelo de Sousa apontou ainda que aqueles que "podem têm a obrigação de dar mais". No seu caso em concreto, referiu ter oferecido "o costume", que geralmente incluiu "conservas, massa, leite, óleo ou azeite e, por vezes, arroz e açúcar".

Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, disse contar com a "solidariedade renovada dos portugueses" para ajudarem estas instituições a cumprirem a missão de auxílio às cerca de "400.000 pessoas" que requerem este apoio alimentar. "4% da população portuguesa recebe comida que vem de um Banco Alimentar da sua região. Estas famílias precisam de ajuda", realçou ainda, em declarações aos jornalistas.

A campanha do Banco Alimentar contra a Fome está a decorrer, durante este fim de semana, em supermercados espalhados por todo o país - prosseguindo ainda, online, até ao dia 5 de junho. 

[Notícia atualizada às 12h48]

Leia Também: Grécia diz ter impedido entrada de 40 mil migrantes desde janeiro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório