Meteorologia

  • 07 JULHO 2022
Tempo
22º
MIN 21º MÁX 39º

DGS descarta obrigatoriedade da máscara, mas recomenda uso

Máscara deve ser usada em espaços fechados, segundo Graça Freitas.

DGS descarta obrigatoriedade da máscara, mas recomenda uso

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, descartou, esta quinta-feira, o regresso da obrigatoriedade da máscara, mas recomenda o uso do equipamento de proteção individual em espaços fechados e em aglomerados. 

Numa entrevista na TVI, a responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS) foi questionada sobre os cuidados a ter nesta fase da pandemia de Covid-19, que considerou serem "aqueles que todos conhecemos".

"Tenho usado sempre, sempre a máscara. Acho que as pessoas deviam fazê-lo em ambientes fechados e em aglomerados", começou por dizer.

"Em ambientes laborais, obviamente que se eu estiver sozinha no meu gabinete, com este magnifico tempo, e janela aberta, eu não estou com máscara. Mas quando entra alguém no meu gabinete eu ponho a máscara e o outro vem voluntariamente também com máscara", notou.

Ainda assim, Graça Freitas recusa a obrigatoriedade do equipamento.

"Eu creio que, nesta fase, uma recomendação é suficiente", notou. "Obviamente a máscara é aconselhada. Não só a máscara, mas todas as medidas", sublinhou.

Linhagem da Ómicron é mais contagiosa e específica da sexta vaga

Ao falar sobre o aumento de casos que se vive, a diretora-geral da Saúde admitiu ainda que "provavelmente" esta é uma "sexta vaga" da pandemia em Portugal, não só pela "dimensão de casos", mas porque há uma linhagem da variante Ómicron que é específica desta vaga, a BA.2.

"Esta linhagem da variante tem duas características negativas e uma positiva. As duas negativas é porque se transmite muito facilmente. Ainda mais [do que a Ómicron original]. A segunda situação é em relação à infeção - não estamos a falar da doença grave - é que esta linhagem tem a capacidade de escapar ao nosso sistema imunitário", disse, explicando que, apesar de "ficar alguma memória imunológica", há pessoas que podem já ter sido infetadas a primeira vez com a Ómicron e agora voltam a ser infetadas com esta linhagem.

"Felizmente não é mais grave do que as outras", disse, realçando a outra característica positiva desta linhagem.

Confrontada com o facto de haver alguns casos de morte e internamentos acima do desejado, a responsável nota que é "a força dos números". "Se há muito casos, proporcionalmente também haverá os óbitos e os internamentos", constatou.

Admitindo que neste momento o país está acima do limiar de segurança decretado pelo Governo, Graça Freitas confirmou também a previsão de 60 mil infeções diárias daqui a duas semanas.

Segunda dose de reforço não vai ser alargada a toda a população

A diretora-geral da Saúde descartou ainda a generalização da segunda dose de reforço a toda a população.

"Nós já fizemos a vacinação universal da população, com muitíssimos bons resultados, e, agora, estamos numa estratégia que não é para prevenir ou controlar a infeção, é para proteção de vulneráveis, que é uma estratégia que nós utilizamos também para a gripe", completou.

[Notícia atualizada às 21h06]

Leia Também: Temido afasta para já máscara obrigatória e testes gratuitos em farmácias

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório