Meteorologia

  • 24 JUNHO 2022
Tempo
22º
MIN 14º MÁX 24º

Costa afirma que segurança de Portugal começa a ser defendida na Roménia

O primeiro-ministro salientou hoje a importância da unidade da NATO para a defesa coletiva das democracias europeias e da presença militar portuguesa na Roménia, sustentando que a defesa e a segurança de Portugal começa no território romeno.

Costa afirma que segurança de Portugal começa a ser defendida na Roménia
Notícias ao Minuto

19:19 - 18/05/22 por Lusa

País NATO

Esta posição foi transmitida por António Costa em declarações aos jornalistas, tendo ao seu lado a ministra da Defesa, Helena Carreiras, e o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André.

"Este é um momento para salientar a unidade da NATO e a capacidade que a Aliança Atlântica tem em conjunto de assegurar a sua defesa coletiva. No momento em que a Rússia tem uma posição belicista, de violação clara do Direito Internacional e com uma grave brutalidade desenvolve uma guerra na Ucrânia, é fundamental reforçar a defesa neste flanco leste da NATO", assinalou, momentos antes de ter um jantar de trabalho, em Bucareste, com o seu homólogo romeno, Nicolae Ciucã.

O primeiro-ministro disse depois que, "desde a primeira hora, Portugal correspondeu àquilo foi solicitado" no âmbito da NATO, disponibilizando militares do Exército para fazerem parte de um batalhão de combate, tendo em vista assegurarem "a soberania, a integridade territorial e a defesa da Roménia".

"Na NATO somos só um e, portanto, a ameaça a qualquer um de nós é uma ameaça a todos nós. A nossa defesa começa precisamente aqui na Roménia", sustentou.

No plano político, durante a sua permanência em Bucareste, o líder do executivo português destacou a assinatura de um acordo para o aprofundamento da cooperação militar com a Roménia.

"Nesta visita, vamos assinar um novo acordo de cooperação com a Roménia na área da defesa. O anterior correu muitíssimo bem, já que contribuiu para a valorização da indústria nacional e para a venda de um conjunto de [17] aviões F16. Teremos um novo acordo que vai reforçar precisamente essa valorização da indústria de defesa nacional" considerou.

Na quinta-feira à noite, António Costa parte depois para a Polónia, país que, segundo o primeiro-ministro, está sujeito a "um esforço maior no acolhimento de refugiados ucranianos, mais de três milhões".

"Temos com a Polónia fortes relações económicas e, por isso, terei uma reunião bilateral com o primeiro-ministro polaco para ver como Portugal pode apoiar o esforço que este país está a fazer em nome de todos nós, tendo em vista assegurar proteção internacional aos cidadãos ucranianos", acrescentou.

Leia Também: Anúncio de Marcelo? Governo não "condiciona a palavra" do Presidente

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório