Meteorologia

  • 28 MAIO 2022
Tempo
25º
MIN 16º MÁX 27º

Rendeiro seria hoje presente a tribunal

O ex-banqueiro João Rendeiro, que foi encontrado morto na sua cela perto da meia-noite de quinta-feira, deveria ser hoje presente em tribunal, segundo uma nota do Departamento de Serviços Penitenciários enviada à Lusa.

Rendeiro seria hoje presente a tribunal
Notícias ao Minuto

11:56 - 13/05/22 por Lusa

País BPP

A advogada já confirmou à agência Lusa que o ex-banqueiro iria hoje a tribunal, adiantando que "já não é relevante adiantar os motivos".

Na nota enviada à Lusa é dito que "o Departamento de Serviços Penitenciários (DCS) confirma o infeliz falecimento de João Manuel de Oliveira Rendeiro, que estava detido no Centro Correcional de Westville, em Durban".

O porta-voz dos serviços prisionais da África do Sul, Singabakho Nxumalo, explicou depois à Lusa que o ex-banqueiro foi encontrado morto na cela onde estava detido "perto da meia-noite desta quinta-feira pelos guardas prisionais".

"O DCS lançou urgentemente uma investigação para determinar a causa e as circunstâncias que levaram à sua morte", conclui a nota.

Questionado pela Lusa sobre as circunstâncias em que foi encontrado morto na cela onde estava detido, Singabakho Nxumalo, escusou-se a dar mais informação, referindo apenas que as autoridades sul-africanas estão a investigar o incidente.

"Assim que tivermos os resultados da autópsia, serão anunciadas as causas da morte, a investigação continuará para determinar as causas da morte. Estamos também a investigar a hora em que se realizou a última ronda [às celas], a hora que foi visto na cela e quando é que foi constatada a morte", explicou.

Segundo porta-voz, o corpo de João Rendeiro foi transportado hoje para uma morgue fora da cadeia, em Durban, onde será submetido a uma autópsia para se averiguar as causas da sua morte.

"Os nossos funcionários descobriram o corpo, alertando posteriormente os funcionários superiores sobre o incidente", explicou à Lusa o porta-voz dos serviços prisionais da África do Sul, Singabakho Nxumalo.

As autoridades portuguesas na África do Sul escusaram-se a prestar declarações à Lusa sobre a morte do cidadão português, João Rendeiro.

Contactado pela Lusa, o Consulado-geral de Portugal, em Joanesburgo, que detém a jurisdição consular da região de Durban, onde se situa a cadeia de Westville, remeteu para Lisboa qualquer esclarecimento sobre as circunstâncias da trágica morte do ex-banqueiro.

João Rendeiro estava detido numa prisão de Durban, na África do Sul, onde aguardava uma decisão sobre o processo de extradição para Portugal.

A defesa do ex-banqueiro de 69 anos acedeu apenas no passado mês de abril aos documentos do processo de extradição enviados pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

A advogada do antigo presidente do BPP, June Marks, disse na altura à Lusa que João Rendeiro se "encontrava bem" na prisão de Westville, em Durban, onde estava detido desde dezembro de 2021, salientando que "aguardava com expectativa" o arranque do julgamento entre os dias 13 e 30 de junho.

A sessão preparatória no tribunal estava marcada para 20 de maio.

As autoridades sul-africanas receberam no dia 25 de março, por via diplomática, a documentação relativa ao processo de extradição de João Rendeiro, adiantou então a PGR.

Os documentos enviados em janeiro pela PGR para a África do Sul regressaram a Portugal em fevereiro, depois de se ter percebido numa sessão em tribunal que a fita que selava os documentos em português estava quebrada. No entanto, a fita dos documentos traduzidos para inglês estava intacta.

[Notícia atualizada às 12h09]

Leia Também: Rede diplomática em contacto com Pretória sobre morte de Rendeiro

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório