Meteorologia

  • 06 DEZEMBRO 2022
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Sindicato alerta para a falta de meios na Inspeção-Geral da Educação

O Sindicato dos Inspetores da Educação e do Ensino (SIEE) diz que é urgente impedir a saída de 20 novos inspetores admitidos em período experimental em 2021, alertando para a falta de meios na Inspeção-Geral da Educação e Ciência.

Sindicato alerta para a falta de meios na Inspeção-Geral da Educação

Em comunicado, o SIEE refere que em 2021 foram admitidos 20 novos inspetores por um período experimental, todos docentes dos quadros com pelo menos 17 anos de serviço efetivo e detentores de vínculo de emprego público por tempo indeterminado.

De acordo com o sindicato, estes inspetores auferem, na carreira de docente, remunerações correspondentes à sua antiguidade.

"Tragicamente, a esmagadora maioria regressará à carreira docente, antes da aceitação da nomeação definitiva, se nada mudar nas condições em que trabalham, nomeadamente a perda salarial mensal média de Euro463,29, agravada pelo sistema de avaliação e progressão na carreira inspetiva, mais desfavorável do que na carreira de origem", refere o sindicato.

Na opinião do SIEE, é urgente impedir a saída dos inspetores, sublinhando que a situação coloca em causa a sobrevivência da própria Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC).

"Não lhes querem pagar, enquanto inspetores, as remunerações que auferem enquanto docentes, embora isso até representasse uma poupança superior a 50.000 euros por ano no orçamento de Estado para a Educação, uma vez que seriam substituídos nas escolas por docentes com muito menos tempo de serviço", explica o SIEE.

Para o sindicato, a IGEC está a "ficar vertiginosamente sem meios" para cumprir a sua missão.

"Teria sido em vão todo o esforço desenvolvido pelos inspetores que, enquanto formadores e orientadores, acompanharam estes novos colegas, inspetores que se empenharam em transmitir o conhecimento adquirido na IGEC, com o objetivo de proporcionar uma formação de excelência", é sublinhado na nota.

O SIEE considera que "todo o dinheiro investido na formação [dos inspetores] teria sido desperdiçado, em prejuízo do erário público".

"A valorização dos recursos humanos é um dos pilares fundamentais do desenvolvimento e bom funcionamento das organizações", salienta ainda o SIEE.

Leia Também: Estudantes de Oeiras em protesto por melhores condições nas escolas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório