Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2019
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 22º

Edição

EPAL desvaloriza cortes porque "há muitos chafarizes na cidade"

Os “atrasos reiterados” no pagamento de faturas levou a que a EPAL cortasse o abastecimento de água a 11.836 casas em Lisboa. Para o secretário-geral da empresa, José Manuel Zenha, "ninguém vai morrer à míngua" por não ter água em casa, pois “a cidade está cheia de chafarizes e fontanários”, conta o Expresso na sua edição online.

EPAL desvaloriza cortes porque "há muitos chafarizes na cidade"

"Estamos a falar de um universo de 300 mil clientes domésticos e de dois milhões de faturas e o corte de abastecimento a 11.836 clientes vale o que vale". Quem o diz é o secretário-geral da empresa, José Manuel Zenha, em reação às queixas quanto aos cortes que a EPAL fez na cidade de Lisboa.

Ao Expresso, o responsável afirma que “o serviço público não é gratuito”, desvalorizando as críticas que dão conta que tais cortes colocam em causa o direito humano essencial de acesso à água.

“A cidade está cheia de chafarizes e fontanários e ninguém morre à míngua por causa dos cortes”, disse José Manuel Zenha.

Os cortes efetuados pela EPAL referem-se “a atrasos reiterados" no pagamento das faturas, ou seja, ao consumo de água sem pagar durante o período de quatro meses.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório