Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 24º

'Tratar o cancro por tu' visa reintroduzir o tema na discussão pública

O Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup) vai avançar com um ciclo de sessões que, intituladas 'Tratar o cancro por tu', visam reintroduzir o tema da doença na discussão pública e ouvir os especialistas.

'Tratar o cancro por tu' visa reintroduzir o tema na discussão pública
Notícias ao Minuto

10:15 - 17/01/22 por Lusa

País Cancro

muito importante perceber o que é um cancro e o que não é um cancro", afirmou hoje o diretor do Ipatimup, Manuel Sobrinho Simões.

Em declarações à Lusa, o especialista disse que a iniciativa surge da necessidade de "desmistificar", "humanizar" e "compreender" o cancro, doença que mata anualmente "mais de 28 mil portugueses".

"As pessoas têm de perceber que não há doenças, há doentes. É preciso humanizar as pessoas", observou Sobrinho Simões, acrescentando ser urgente reintroduzir o tema na discussão pública e criar oportunidades para ouvir os especialistas sobre os avanços médicos e científicos no tratamento da doença.

Lembrando que, até ao momento, o Ipatimup não tinha tido "musculo" para chegar à população em geral, o especialista defendeu que a aproximação com as autarquias é um "salto crucial".

"Tratar uma doença e resolver um problema de ordenação do território são ambos problemas que tem a ver com a comunidade", disse, lembrando que, com a pandemia da covid-19, "muitas pessoas não foram tratadas atempadamente".

Intitulado "Tratar o cancro por tu", o ciclo de sessões sobre literacia de cancro arranca dia 27 de janeiro, no Teatro Rivoli, no Porto, e debruça-se sobre o cancro do pulmão.

Do Porto, a iniciativa, que decorre de janeiro a março, "salta os muros da ciência para ir ao encontro da população" em Braga (03 de fevereiro), Coimbra (17 de fevereiro), Lisboa (03 de março), Vila Real (17 de março) e Évora (31 de março).

Em cada uma das sessões será abordado um tipo de cancro diferente - pulmão, mama, leucemias e linfomas, próstata e pele -, tendo em conta os conhecimentos dos diferentes especialistas e a incidência desse cancro na região do país.

"A ciência tem uma linguagem demasiado hermética e técnica, pelo que é preciso aproximarmo-nos das pessoas e simplificar as explicações sobre as várias abordagens da terapia", referiu o diretor do Ipatimup, acrescentando que o cancro é "das doenças mais fáceis".

"Infelizmente ainda é mortal para uma percentagem de pessoas, mas cada vez é menos. Daqui a 10, 20 ou 30 anos não vamos morrer de cancro. Não vamos curar, mas vamos controlar. É uma doença relativamente fácil de perceber e vamos evoluir muito", notou Sobrinho Simões.

Além de especialistas da área da medicina e ciência, as sessões vão incluir, por exemplo, uma performance de Pedro Abrunhosa, textos criados por Mário de Carvalho e Afonso Reis Cabral, um depoimento em vídeo da diretora da Agência Internacional de Investigação em Cancro e testemunhos e imagens recolhidos pelo 'instagrammer' Kitato, pelo 'blogger Filipe Morato Gomes, pela jornalista Luisa Pinto e pelo escritor de viagens e blogger Rui Barbosa Batista.

Cada sessão irá dar origem a um 'podcast' que estará disponível nas principais plataformas de 'streaming'.

Leia Também: Vacina contra cancro agressivo testada com sucesso em animais

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório