Meteorologia

  • 24 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Autarcas da Maia julgados de novo no caso Tecmaia

O Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) do Porto determinou um segundo julgamento do processo Tecmaia, visando o presidente da Câmara da Maia e dois outros réus e que pode culminar em perdas de mandato, segundo um despacho hoje conhecido.

Autarcas da Maia julgados de novo no caso Tecmaia
Notícias ao Minuto

14:14 - 14/01/22 por Lusa

País Maia

De acordo com um despacho do juiz do TAF-Porto Marcelo Mendonça, proferido no dia 12 e hoje consultado pela agência Lusa, esta nova ação contra o presidente Silva Tiago e outros é intentada pelo Ministério Público.

A anterior, que foi desencadeada pelo partido político Juntos pelo Povo, culminou em 2020 com a decisão do Supremo Tribunal Administrativo (STA) de revogar perdas de mandato que foram determinadas noutras instâncias.

O caso Tecmaia relaciona-se com a assunção pela autarquia de uma dívida de 1,4 milhões de euros, que o Fisco imputara ao presidente da câmara ao seu antecessor e atual presidente da Assembleia Municipal, Bragança Fernandes, bem como ao vereador Mário Neves, enquanto ex-administradores daquela empresa municipal, entretanto extinta.

Num requerimento que mereceu despacho favorável do juiz do TAF-Porto Marcelo Mendonça, que a agência Lusa também consultou, o procurador Manuel Eduardo Santa promoveu que seja declarada a perda dos atuais mandatos de Silva Tiago, do vereador Mário Neves e de Bragança Fernandes porque se envolveram num procedimento administrativo "que cominou no pagamento de dívidas pessoais".

Trata-se, segundo o procurador, "de uma atuação de tal modo desconforme aos princípios e normas" legais e que "impede a sua permanência nos presentes cargos autárquicos".

Os réus reagiram considerando que a lide devia ser extinta "por inutilidade superveniente", uma vez que, na prática, tratar-se-ia de julgar os mesmos factos que levaram à decisão do STA face à queixa do Juntos pelo Povo.

No seu despacho de 12 de janeiro, o juiz veio, contudo, a dar razão ao procurador.

"A decisão tomada noutro processo judicial, ainda que transitada em julgado e adoptada pelo mais alto tribunal da hierarquia da jurisdição administrativa, não determina, sem mais, a inutilidade do presente processo, pois que a força vinculante desse acórdão e do caso julgado se contém ao respetivo processo, sem que essa obrigatoriedade concreta contamine a presente demanda", considerou o magistrado Marcelo Mendonça.

Entre outros detalhes que levaram o juiz a concluir que "o paralelismo dos casos não é razão que permita afastar a sindicância judicial ao presente caso concreto", estão alguns contornos, "plenamente distintos" e que foram alvo de acções intentadas por entidades distintas: a primeiro de um partido político e esta do Ministério Público.

"Ante o exposto, mantém-se a utilidade da presente lide, que, assim, prosseguirá os seus termos subsequentes", determina o juiz.

Leia Também: Serra Leoa vai mudar sistema eleitoral e aumentar mulheres na política

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório