Meteorologia

  • 27 MAIO 2022
Tempo
32º
MIN 16º MÁX 35º

Imunidade através da infeção descontrolada? "Não é prudente" nesta fase

Miguel Prudêncio entende que ainda é cedo para permitir a imunidade natural através da infeção descontrolada por SARS-CoV-2, porque não se conhece ainda a percentagem de doentes infetados com a Ómicron resultam em doença grave.

Imunidade através da infeção descontrolada? "Não é prudente" nesta fase
Notícias ao Minuto

12:30 - 31/12/21 por Notícias ao Minuto

País Pandemia

Miguel Prudêncio, investigador do Instituto de Medicina Molecular, defende que esta não é a altura certa para permitir imunidade natural contra a Covid-19 através da infeção descontrolada do vírus, como sugeriu, por exemplo, o virologista Pedro Simas. 

Embora reconheça que este é um "momento-chave" da pandemia, o especialista afirmou esta sexta-feira, na SIC Notícias, não considerar "prudente que se permita a imunidade natural através da infeção descontrolada" do SARS-Cov-2 nesta altura porque "há um elemento que ainda não temos a certeza de como se comporta: qual é a percentagem de casos graves da doença que acontecem em pessoas infetadas com a Ómicron". Para o investigador, a "chave" está em conhecer esta percentagem, o que acredita que venha a acontecer dentro de duas ou três semanas. Mas, para já, "é cedo", frisou. 

Se a percentagem for "muito baixa", deixar a infeção acontecer vai conferir a imunidade natural, "sem se traduzir em consequências graves" para os infetados. No entanto, se a percentagem for mais elevada, "então não podemos deixar a infeção espalhar-se sem controlo, porque isso ia corresponder a um número de casos graves da doença que não seria também aceitável", explicou. 

Seja como for, há "uma forma" de baixar a percentagem de doentes infetados com a Ómicron que resulta em casos graves: o reforço da vacinação. 

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, defendeu esta semana que a estratégia de imunização natural contra a Covid-19 comporta um risco de pressão sobre os serviços de saúde e um "risco individual" porque há casos que têm "um desfecho menos favorável".

Portugal, à imagem do que tem acontecido diariamente noutros países, registou ontem um novo máximo de novos casos ao somar perto de 30 mil novas infeções, devido à disseminação da Ómicron, uma variante mais transmissível do que as anteriores. Espera-se, aliás, que Portugal atinja os 37 mil casos diários na primeira semana de janeiro, podendo mesmo chegar aos 50 mil ao longo do mês. 

Leia Também: AO MINUTO: Ómicron tem prevalência de 82,8%; Reino Unido aprova fármaco

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório