Meteorologia

  • 12 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 31º

Prevê-se "aumento de pressão sobre o sistema de saúde e na mortalidade"

Relatório de monitorização das Linhas Vermelhas para a Covid-19, divulgado pela DGS e pelo INSA, sublinha que a magnitude da pressão causada pelo aumento de casos de infeção "é ainda incerta". A variante Ómicron é já dominante em Portugal, tendo uma proporção de casos estimada de 82,9% no dia 29.

Prevê-se "aumento de pressão sobre o sistema de saúde e na mortalidade"
Notícias ao Minuto

11:34 - 31/12/21 por Notícias ao Minuto

País Pandemia

"A análise dos diferentes indicadores revela uma atividade epidémica de SARS-CoV-2 de intensidade muito elevada, com tendência crescente a nível nacional, em especial na região de LVT [Lisboa e Vale do Tejo]", refere o relatório de monitorização das Linhas Vermelhas divulgado esta sexta-feira.

De acordo com o documento da Direção-Geral de Saúde e do Instituto Nacional Doutor Ricardo Jorge (INSA), "a pressão nos serviços de saúde e o impacto na mortalidade são elevados, embora com tendência estável, revelando assimetrias regionais". 

"É provável um aumento de pressão sobre o todo o sistema de saúde e na mortalidade. A sua magnitude é ainda incerta, mas resultará do rápido aumento do número de casos e será condicionada, também, pela provável menor gravidade da infeção pela variante Ómicron, e pelo efeito protetor da vacinação, em especial da dose de reforço", lê-se no relatório. 

O documento assinala também que a capacidade de rastreamento de contactos de casos "revela sinais de pressão". 

O número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 mil  habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 1.206 casos, "com tendência fortemente crescente a nível nacional e em todas as regiões", revelam as autoridades. 

Especificamente no grupo etário com idade superior ou igual a 65 anos, o número de novos casos de infeção 100 mil habitantes, acumulado nos últimos 14 dias, foi de 359 casos, com "tendência fortemente crescente a nível nacional". 

No que diz respeito à transmissibilidade da doença, o R(t) apresenta valor igual ou superiora 1, "indicando uma tendência crescente da incidência de infeções a nível nacional (1,35) e em todas as regiões. A região de LVT foi aquela em que se registou o valor mais elevado do R(t) (1,42). 

Quanto às hospitalizações, o número de doentes internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no Continente revelou uma "tendência estável", correspondendo a 59%(na semana anterior foi de 61%) do valor crítico definido de 255 camas ocupadas. 

A mortalidade específica por COVID-19 também apresenta uma "tendência estável", com 21,1 óbitos em 14 dias por milhão de  habitantes.  "Esta taxa de mortalidade revela um impacto elevado da pandemia na mortalidade", pode ler-se. 

O relatório indica que a variante Ómicron é já dominante em Portugal, tendo uma proporção de casos estimada de 82,9%no dia 29 de dezembro de 2021. 

Leia Também: AO MINUTO: Regresso às aulas adiado?; 4.ª dose para vulneráveis em Israel

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório