Meteorologia

  • 19 AGOSTO 2022
Tempo
22º
MIN 22º MÁX 37º

"É a entrada em endemia". Deixar vírus disseminar-se "faz muito sentido"

Pedro Simas refere que variante Ómicron é "menos virulenta" e "mais contagiosa". "Inquestionavelmente, vai conquistar o mundo inteiro e vai fazer com que a Delta desapareça", sublinha o virologista.

"É a entrada em endemia". Deixar vírus disseminar-se "faz muito sentido"
Notícias ao Minuto

11:28 - 29/12/21 por Notícias ao Minuto

País Pedro Simas

O virologista Pedro Simas esteve, na manhã desta quarta-feira, na CNN Portugal onde começou por referir que "faz muito sentido" o que colegas seus já afirmaram: a infeção natural pode ser um caminho a seguir se a variante Ómicron se comprovar menos grave. 

"De facto, isto é um processo natural, um processo de evolução das variantes. Estas têm tendência a ser menos virulentas, mais contagiosas. Foi assim que aconteceu com os outros coronavírus", apontou o especialista. 

Esta variante Ómicron "confirma-se que é menos virulenta e confirma-se que é mais contagiosa. Inquestionavelmente, vai conquistar o mundo inteiro e vai fazer com que a Delta desapareça, que é mais virulenta".

Isso, "para um país como Portugal, são muito boas notícias", defendeu Pedro Simas, uma vez que, como é mais eficaz a transferir-se, "vai conferir uma imunidade às pessoas muito boa"

E vai mais longe: "Esta é a entrada inequívoca em endemia. Só se entra em endemia verdadeira quando, num país, a maior parte das pessoas já teve a infeção e o vírus circula livremente. Isto é normal, o que não é normal são as filas de testes". 

Recorde-se que, esta terça-feira, Manuel Carmo Gomes admitiu que Portugal pode ter de mudar de atitude na contenção da Covid-19 devido à elevada transmissibilidade da variante Ómicron, se se comprovar que provoca menos doença grave do que as variantes anteriores.

"Se realmente é muito menos grave do que a Delta em populações muito vacinadas, como é a nossa, talvez faça mais sentido deixar que as pessoas se imunizem naturalmente. Nunca advoguei teorias de imunidade de grupo por infeção natural, mas estamos numa situação completamente diferente, com a população praticamente toda vacinada e uma variante que, para já, não parece ser muito preocupante em hospitalizações", afirmou em declarações à Lusa. 

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.909 pessoas e foram contabilizados 1.303.291 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde. Também ontem verificou-se um recorde diário de infeções: 17.172

Leia Também: AO MINUTO: Testes em eventos culturais; 5 aos 11 anos? Agendamento aberto

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório