Meteorologia

  • 20 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 15º

Edição

Van Dunem "nada vai fazer na Administração Interna", ironiza Rio

Em reação à demissão de Eduardo Cabrita e à acumulação de funções de Francisca Van Dunem como consequência, o presidente do PSD ironizou que a ministra da Justiça "se notabilizou em todo este tempo por não fazer nada" no ministério, pelo que foi uma escolha acertada para o cargo de dois meses.

Van Dunem "nada vai fazer na Administração Interna", ironiza Rio

À margem da sessão de encerramento do 9.º Congresso Nacional dos Autarcas Social-Democratas, em Barcelos, Rui Rio disse aos jornalistas não ter dúvidas de que a demissão do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, se trata de uma tática eleitoral. O presidente do Partido Social Democrata (PSD) atirou ainda que a escolha de Francisca Van Dunem, que irá acumular funções enquanto ministra da Justiça e da Administração Interna até às eleições antecipadas, é acertada, por esta se ter notabilizado “em todo este tempo por não fazer nada”.

“Neste dois meses que faltam [para as eleições] a lógica é que não é para fazer nada e, não sendo para fazer nada, olhando para aquilo que foi a atuação da ministra da Justiça no ministério, acho que está bem escolhido – como ela não fez nada, nada vai fazer na Administração Interna”, ironiza.

O dirigente do PSD adianta não ter dúvidas de que a demissão de Cabrita se trata de uma tática eleitoral, ontem anunciada perante a divulgação do despacho do Ministério Público que indiciou o seu motorista por homicídio por negligência pela morte de Nuno Santos, no acidente de 18 de junho na A6. Na verdade, para Rui Rio, o ministro da Administração Interna “já deveria ter saído”.

“Já houve, ao longo do trajeto, muitas razões para o ministro Eduardo Cabrita sair do Governo. Nunca saiu por razões daquilo que era a gestão dos problemas que teve; acabou por sair agora não por isso, mas para não prejudicar eleitoralmente o Partido Socialista, uma vez que estamos a menos de dois meses das eleições e, portanto, para mim é notório que o ministro já deveria ter saído”, sublinha, acrescentando que o primeiro-ministro se “corresponsabilizou por todos os erros que foram acontecendo”.

“Agora, lá combinaram entre os dois que era melhor sair, porque, senão, era um desgaste muito grande para o Governo”, realça.

Quanto a uma possível coligação com o CDS-PP nas legislativas de janeiro, Rio não dá detalhes, esperando que, na terça-feira, a reunião da Comissão Política Nacional chegue a uma conclusão nessa frente.

Leia Também: MAI. Costa diz que Van Dunem "com facilidade assume esta função"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório