Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2022
Tempo
14º
MIN 6º MÁX 14º

Edição

Centenas de pessoas desesperam por um teste no Cais do Sodré

Centenas de pessoas formaram na noite de hoje uma longa fila junto à estação ferroviária do Cais do Sodré, em Lisboa, para serem testadas à covid-19, com muitas a desesperarem pelo atraso da abertura do centro de testagem.

Centenas de pessoas desesperam por um teste no Cais do Sodré
Notícias ao Minuto

23:37 - 03/12/21 por Lusa

País Covid-19

Com abertura prevista às 20:00, o centro de testagem do Cais Sodré só conseguiu abrir as portas ao público às 20:45, depois de 45 minutos à espera de chave, o que criou alguma agitação, mas sem problemas de maior gravidade.

Na fila desde às 15:15, João André disse à agência Lusa que o "Governo está a fazer um bom trabalho", em relação à exigência de testes para entrar em alguns locais públicos.

"É a minha opinião. Continua a fazer um bom trabalho em relação a isto [medidas contra a covid-19]. Espero que continue e que isto melhore", adiantou.

João André, que esteve a substituir a sua mulher na fila, contou que o casal está a fazer testes ao novo coronavírus SARS-CoV-2 por precaução.

"Estou, neste momento, a fazer teste, porque a minha esposa [...] andou perto de pessoas com a covid-19, que, por sua vez, adoeceram. Ficaram bastante atacadas com a covid-19. No meu caso, é mais para me prevenir. Venho fazer agora e, se possível, venho fazer antes do Natal. É apenas jogar pelo seguro. Eu ainda não apanhei [covid-19]. Estou satisfeito", observou.

Na longa fila, que parecia interminável, esteve também Marina Ferreira que considerou que o processo de testagem está "mal-organizado".

"Falta organização. As medidas têm de acontecer, porque senão a situação vai piorar, mas está mal-organizado, acho", indicou.

A mulher, que aguardou cerca de cinco horas para poder ser testada, atentou que devia de haver uma forma de os testes ser realizados junto às discotecas.

"Acho sim [faz sentido ser testada para entrar numa discoteca], mas acho que devia haver uma forma de testar à frente das portas das discotecas. Ter mais formas de testagem e ser ininterrupto", explicou.

Bem perto da zona ribeirinha, já no fim da fila, Ivo Ferreira disse que foi testar-se, porque ia a concerto na rua cor-de-rosa, mas sentiu-se incomodado com a demora da abertura do centro de testagem, após questionado pela Lusa.

"Sim [incomoda-me]. Querem submeter as pessoas a este tipo de testes e que toda a gente se tenha de se testar -- que eu concordo --, mas penso que não houve um reforço suficiente para que se consiga cumprir, sobretudo no que diz respeito à noite e aos bares, porque há muita mais gente e mais afluência", realçou.

Ivo Ferreira indicou que havia tentado ser testado na terça-feira em 12 farmácias, mas não conseguiu um teste.

"Não houve um reforço nas farmácias e nestes centros e então incomoda-me de alguma maneira. Por exemplo, eu já tinha concertos para este concerto e provavelmente não vou conseguir chegar a horas", sustentou.

Já Fabio Stuflesser, um italiano que está passar o fim de semana com a namorada, adiantou que estava na fila, porque tinha bilhetes para ir assistir ao jogo Benfica -- Sporting, da 13.ª jornada da Liga portuguesa de futebol.

"Nós ouvimos ontem [quinta-feira] que precisávamos de um teste [à covid-19] para entrar, o certificado de vacinação era suficiente. Nós chegamos às 15:30, mas às 18:00 fecharam o centro [de testagem] e disseram-nos que abrirão às 20:00. Nós mantivemo-nos aqui, porque nas farmácias pediam-nos marcação", disse.

Com o plano de ir ao dérbi lisboeta quase frustrado, Fabio Stuflesser afirmou manter a esperança em chegar ao estádio da Luz, mas que provavelmente já não conseguiria ver o jogo de futebol.

À Lusa, a enfermeira designada para realizar os testes no centro do Cais do Sodré explicou que estava previsto testar 200 pessoas esta noite, dizendo que a maioria seria testada para entrar nas discotecas.

Sofia Natal explicou que estaria acompanhada por dois técnicos e que a média de espera pelo resultado do teste era de uma a duas horas, após a sua realização.

A enfermeira alertou ainda que, na quinta-feira, no centro de testagem do Campo Pequeno, teve de chamar a polícia, porque as pessoas que ficaram além da hora de encerramento não a deixaram sair, identificando alguma insegurança naqueles espaços.

A Câmara Municipal de Lisboa instalou quatro centros de testagem à covid-19 junto às zonas de diversão noturna, funcionado nas sextas, sábados e vésperas de feriado à noite.

Os centros noturnos estão instalados no Cais do Sodré, em Santos, no Príncipe Real e no Largo de Camões entre as 20:00 e as 02:00.

Leia Também: AO MINUTO: Já há 34 casos de Ómicron cá; Testes? Comparticipação alargada

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório