Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 17º

Edição

Costa admite "falha na forma como Governo apresentou propostas"

A Comissão Política do PS está reunida esta noite na sede do partido para discutir as negociações do OE2022, mas à chegada António Costa comentou a suspensão da participação das confederações patronais na Concertação Social.

Costa admite "falha na forma como Governo apresentou propostas"

A Comissão Política do PS está reunida, na noite desta sexta-feira, na sede do partido, no Largo do Rato, em Lisboa, para discutir as negociações do Orçamento de Estado para 2022 (OE2022).

À chegada ao local, e confrontado com a suspensão, temporária, da participação das confederações patronais na Concertação Social, António Costa assumiu que, no Conselho de Ministros de ontem, foram apresentadas e aprovadas duas medidas que não tinham sido colocadas a discussão na reunião anterior da Concertação Social.

Algo que lamentou, deixando, aparentemente, uma crítica à ministra do Trabalho e da Segurança Social e revelando ter apresentado um pedido de "desculpas" às confederações patronais, por intermédio do presidente da CIP.

"Já tive a oportunidade de esclarecer o senhor presidente da CIP, que teve a amabilidade de me telefonar, e de apresentar desculpas. Acho que, de facto, houve uma falha processual ontem, na forma como o Governo apresentou  o conjunto de propostas e em que, efetivamente, houve o lapso de não ter apresentado duas medidas relevantes antes de ontem na sede de Concertação Social. Já tive oportunidade de apresentar desculpas e é o que se deve fazer quando se erra", explicou o primeiro-ministro.

Em causa está a medida relacionada com a compensação por despedimento em situações de contrato a termo e a do aumento do valor das horas extraordinárias.

Já sobre o estado das negociações com o PCP, PAN, Bloco de Esquerda e PEV para a viabilização do OE2022, António Costa não quis pronunciar-se.

Recorde-se que, esta sexta-feira, as quatro confederações empresariais disseram que foi com "surpresa" que viram aprovadas no último Conselho de Ministros, alterações à lei laboral que não estavam contempladas na Agenda do Trabalho Digno apresentada na Concertação Social.

Entretanto, o Presidente da República anunciou hoje que vai receber na próxima sexta-feira os parceiros económicos e sociais, tanto patronais como sindicais, e recusou, antes de os ouvir, comentar a situação da concertação social.

Já o presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis, considerou hoje grave a decisão das confederações patronais de suspenderem a participação nas reuniões da Concertação Social e assegurou que vai desenvolver diligências para que a situação seja ultrapassada rapidamente.

"Este assunto é grave, mas tem de ser ultrapassado (...) deve haver um equívoco", disse Francisco Assis à agência Lusa, considerando ser seu papel fazer com que a situação seja ultrapassada rapidamente.

Leia Também: UGT. Patrões estão a fazer "birra" e leis do trabalho são para mudar

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório