Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 8º MÁX 14º

Edição

Nelas: Utentes exigem reabertura da urgência e melhores serviços de saúde

Uma centena de utentes do centro de saúde de Nelas exigiu hoje a reabertura das urgências e maior celeridade nas consultas, por considerar que a pandemia não pode continuar a ser justificação para o mau serviço prestado.

Nelas: Utentes exigem reabertura da urgência e melhores serviços de saúde
Notícias ao Minuto

21:24 - 21/10/21 por Lusa

País Saúde

O porta-voz do Movimento Cívico do Concelho de Nelas, António Minhoto, disse aos jornalistas que os utentes estiveram calados até agora porque perceberam a situação que se vivia devido à pandemia de covid-19.

No entanto, consideram que as condições atuais já não justificam que se mantenham as urgências fechadas (das 20:00 às 24:00), que as consultas continuem "a funcionar muito lentamente, com deficiência", e que não sejam passadas atempadamente as receitas médicas.

"Viseu não pode ser entupido com pequenas situações", frisou António Minhoto, aludindo ao facto de o concelho não ter serviço de urgências.

António Minhoto lamentou que os bombeiros tenham de andar constantemente "numa grande azáfama" entre Viseu e Nelas a transportar doentes.

"Ainda esta semana, um jovem estava aqui para ser atendido, caiu, desmaiou, teve que ir para Viseu de ambulância", contou.

O porta-voz do movimento disse ainda que é preciso reabrir os postos de Santar e Carvalhal Redondo, lembrando que, para que se consiga a tão falada fixação de população no interior do país, "tem de haver direitos, tem de haver serviços".

Aida Teixeira, 78 anos, foi uma das pessoas que hoje se manifestou em frente ao centro de saúde, por considerar que nunca foi tão mal atendida como em Nelas.

A mulher, que vive há dois anos em Nelas e que tem um marido que é doente oncológico, contou aos jornalistas que as funcionárias lhe dizem: "se é urgente, vá ao médico particular".

"Viemos para aqui, pensámos que as condições eram melhores, mas as condições aqui são muito, muito, más. Sábado ou domingo, se uma pessoa estiver para morrer, morre", lamentou.

Alzira Marques, 72 anos, que é diabética, disse que esteve meio ano sem ter consulta e acabou por pagar para um médico a ir atender a casa.

"A minha filha que está no estrangeiro foi obrigada a ligar aqui para o centro de saúde e disse que os ia processar, porque a mãe é uma doente de risco", referiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório