Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 28º

Edição

Discotecas com certificado digital? "Teremos várias decisões" esta semana

Marques Mendes avançou, na SIC, algumas das decisões que deverão sair do Conselho de Ministros da próxima quinta-feira.

Discotecas com certificado digital? "Teremos várias decisões" esta semana

Luís Marques Mendes anunciou, este domingo, que o Governo deverá decidir, no Conselho de Ministros da próxima quinta-feira, a reabertura das discotecas mediante apresentação de certificado digital, o fim dos limites de pessoas por mesa nos restaurantes e o fim da lotação máxima nas lojas, espetáculos culturais e casamentos.

No habitual espaço de opinião da SIC, o comentador político garantiu ainda que o Governo "está neste momento a fazer um levantamento de várias medidas que foram implementadas nos últimos meses" e que já não se justificam ou que poderão passar "a uma lógica de recomendação".

Marques Mendes destaca que o país tem, à data, 86% da população com pelo menos uma dose da vacina e quase 83% com o esquema vacinal completo e que as previsões apontam para que, no próximo domingo, se atinja entre 84 a 85% da população portuguesa vacinada.

"É caso para dizer que praticamente chega ao fim o processo de vacinação", sublinha. "Não há dúvida que há aqui um grande mérito do Governo - em particular da Ministra da Saúde -, um grande mérito da Task Force e dos profissionais de saúde."

Graças a estes dados, além da vacinação da gripe (que deverá arrancar em outubro), Marques Mendes acredita também que sejam anunciadas, até ao final do ano, uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 para maiores de 65 anos e uma segunda para os recuperados da doença (que, atualmente, apenas recebem uma dose).

Contudo, o social-democrata não se demonstrou inteiramente de acordo com essas medidas.

"Eu esperava que houvesse um estudo que provasse a necessidade destas terceira e segunda dose", refere, lembrando que há um grande lobby por parte das farmacêuticas. "Se há mesmo necessidade, tudo bem, agora só para dar negócio às farmacêuticas parece-me mal."

Insultos a Ferro Rodrigues são "crime"

Quanto aos insultos de um grupo de negacionistas ao presidente da Assembleia da República, que marcaram o último fim de semana, Luís Marques Mendes defendeu que o assunto "não deve ser ignorado nem desvalorizado".

Não é um fait-diver nem uma questão menor", apontou. "Eu acho que isto é intolerável."

O comentador defende que o Ministério Público e os tribunais têm de agir, o que "não significa limitar o direito à manifestação", mas sim "não pactuar com o abuso, com a injúria". 

Para o comentador, "não se trata de saber se se gosta ou não de Ferro Rodrigues", mas "uma ofensa à segunda figura do Estado é uma ofensa ao estado democrático".

"É verdade que é um grupo ultraminoritário, mas não significa que não tenham que cumprir regras como qualquer um de nós", frisou. "A autoridade democrática do Estado, quando não se exerce, degrada-se."

Marques Mendes concluiu defendendo que, "se não gostam ou não concordam com a vacina, tudo bem, mas dentro das regras e cumprindo a lei". 

"Ferro Rodrigues é a segunda figura do Estado, tem de ser respeitado como tal", apontou.

Leia Também: AO MINUTO: DGS pondera 3ª dose para maiores de 65; Discotecas reabrem?

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório