Meteorologia

  • 21 SETEMBRO 2021
Tempo
25º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Sindicato critica atuação do Governo em relação à Administração Pública

O Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais criticou hoje a ação do Governo dos Açores, "que visa um Estado assistencialista e esvaziado de funções" e que enfraquece a administração pública regional e os seus serviços.

Sindicato critica atuação do Governo em relação à Administração Pública
Notícias ao Minuto

14:06 - 16/07/21 por Lusa

País Açores

"O enfraquecimento que o Governo Regional está a provocar aos trabalhadores da Administração Pública e aos serviços que prestam à população não é um caminho inevitável: resulta de um processo que visa um Estado assistencialista e esvaziado de funções", considerou hoje o sindicato, em comunicado.

A estrutura do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Social do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA) apresentou hoje as suas conclusões em relação à "situação político-sindical nacional, regional, geral e setorial".

Ainda sobre a Administração Pública e o Setor Público Empresarial Regional (SPER), o comunicado refere que "não é este o caminho que os trabalhadores defendem e não será com ele que se reforçam as funções sociais do Estado".

Sobre a situação económica da região, é destacado que "o desemprego, o encerramento de muitos estabelecimentos e atividades exigem que sejam canalizados mais apoios aos trabalhadores e famílias que passam por dificuldades, ao mesmo tempo que deveriam ser implementadas medidas de fundo que rompam com décadas de estagnação da economia, precariedade e baixos salários no emprego e que dinamizem a produção regional".

"Ao contrário de alargar os apoios a quem deles efetivamente necessita, o Governo fez cessar a nível nacional, de forma prematura, algumas das medidas de emergência para responder ao surto epidémico", aponta o sindicato, referindo um "desequilíbrio nas opções dos governos, seja a nível nacional como regional, que mantêm os apoios a grandes empresas que distribuem lucros gigantescos e são rápidos a terminar com medidas que se dirigem a camadas da população que delas necessitam".

A nível nacional, é defendida "uma revisão das Tabelas do Regime Convencionado" que "diminuísse os encargos dos trabalhadores e aposentados beneficiários da ADSE", bem como a "revogação do SIADAP [Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da Administração Pública] e a sua substituição por um sistema de avaliação sem quotas, formativo, transparente, equitativo e justo".

Na região, mantém-se a greve ao trabalho noturno das tripulações das embarcações do IMAR (Instituto do Mar da Universidade dos Açores) e foram reiteradas as reivindicações dos vigilantes da natureza, nomeadamente o cumprimento do horário laboral estabelecido no acordo coletivo de entidade empregadora pública.

Para a saúde, o STFPSSRA defende o reforço das "medidas de prevenção" para "que não exista margem nenhuma de risco de infeção", pelo que "é necessário criar condições para que os trabalhadores não sejam levados à exaustão e que sejam garantidas todas as medidas de segurança necessárias".

Assim, é sugerido o "reforço de meios humanos nos hospitais e unidades de saúde de ilha", a "regularização da situação remuneratória dos Assistentes Operacionais, Assistentes Técnicos e Técnicos Superiores" e a "realização de um levantamento das debilidades técnicas dos hospitais e das unidades de saúde de ilha, que devem ser supridas no próximo Orçamento Regional, para 2022".

Leia Também: Açores com 39 novos casos de infeção e 22 recuperados

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório