Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

Institucionalização de idosos não deve ser primeira opção, diz psicólogo

A institucionalização das pessoas mais velhas não deve ser a primeira opção defendeu hoje o psicólogo e autor do livro 'Ageing in Place - envelhecimento em casa e na comunidade'.

Institucionalização de idosos não deve ser primeira opção, diz psicólogo
Notícias ao Minuto

11:44 - 07/07/21 por Lusa

País Idosos

Na sequência do primeiro trabalho 'Guia de Boas Práticas Ageing in Place', publicado em 2018, António Fonseca voltou a teorizar e fundamentar o termo 'Agein in Place', que segundo a Organização Mundial de Saúde se traduz no objetivo preferencial de se poder viver e envelhecer em casa e na comunidade, com segurança e de forma independente.

Em declarações à Lusa, o investigador defendeu que o envelhecimento em casa e na comunidade é natural, um direito, e deve ser a primeira opção, tendo por isso de se valorizar respostas locais que terão "necessariamente de ser apoiadas pelo Estado", em vez de se criarem mais lares.

"Mais de 90% das pessoas mais velhas vivem nas suas casas e é assim que deve ser como opção natural. A solução institucional em ambiente de lar deve ser encarada como não natural, embora em alguns casos se justifique, deve ser retardada, daí a necessidade de chamar à atenção para a necessidade de criação e desenvolvimento de estruturas como os serviços de apoio domiciliário e os centros de dia que permitiam dar às pessoas segurança para continuarem a viver nas suas casas", afirmou.

O recente estudo sistematiza e faz o levantamento das diferentes práticas de promoção do envelhecimento em casa e na comunidade em prática por todo o país, dividindo-se em 12 domínios de aplicação do paradigma - entre os quais se encontra o apoio domiciliário -, que são acompanhados de exemplos práticos, nomeadamente de iniciativas locais, cuja divulgação pode servir de inspiração e levar à replicação em outros contextos, esclareceu o autor.

Na visão do psicólogo as respostas devem ser adaptadas, porque o envelhecimento em casa e na comunidade com qualidade implica condições de acompanhamento, de forma a evitar situações como o isolamento social que se agravou com a pandemia. 

"Não podemos ficar à espera que o Estado central ou até mesmo regional diga o que deve ser feito ou como deve ser feito. Em Portugal envelhece-se de forma muito diferente. Há uma disparidade enorme a nível da saúde e de rendimentos com que as pessoas chegam à velhice: há pessoas que recebem 300 euros e outras 2.000 mil euros, portanto são necessárias respostas diferenciadas", defendeu.

O psicólogo, que estima mais de 4.000 pessoas com mais de 100 anos em Portugal, afirmou ainda que no país mais do que uma população envelhecida, há uma população a envelhecer para quem a primeira opção não deve ser a institucionalização, mas sim o envelhecimento em casa e na comunidade.

Neste momento e até 2022 a Fundação Gulbenkian está a apoiar 15 projetos deste âmbito, escolhidos entre as 132 candidaturas recebidas do concurso "Envelhecimento na Comunidade", que reúnem na prática respostas que têm a preocupação de corresponder à satisfação de necessidades das pessoas, segundo o investigador. 

Leia Também: Socorristas levam idoso em estado terminal a ver a mulher pela última vez

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório