Meteorologia

  • 22 SETEMBRO 2021
Tempo
28º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Berardo paga caução de cinco milhões e sai em liberdade

O empresário conheceu, esta sexta-feira, as medidas de coação tidas como adequadas.

Berardo paga caução de cinco milhões e sai em liberdade

Joe Berardo vai pagar a caução de cinco milhões de euros para sair em liberdade já esta sexta-feira, depois de ter passado três noites detido, avança a TVI24.

De acordo com o mesmo canal, o Ministério Público (MP) não pediu prisão preventiva para o empresário madeirense, que hoje conheceu as medidas de coação tidas como adequadas pelo juiz Carlos Alexandre.

Após sair em liberdade, o Comendador tem 20 dias para depositar o dinheiro ou dar garantias.

Já segundo a SIC Notícias, o empresário fica proibido de sair do país, sendo obrigado a entregar o passaporte, e fica também proibido de contactar com os restantes arguidos no processo.

Para o o advogado André Luiz Gomes, a caução foi definida no valor de um milhão de euros e está proibido de contactar com Joe Berardo.

Recorde-se que Joe Berardo e o advogado, André Luiz Gomes foram detidos na passada terça-feira, acusados dos crimes no âmbito do processo da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

O interrogatório aos dois homens, detidos desde terça-feira, terminou ontem.

André Luiz Gomes foi ouvido ao longo do dia de quinta-feira e o interrogatório de Berardo começou às 18h30 do mesmo dia e terminou 45 minutos depois, sendo incerto se o empresário madeirense prestou declarações ou se preferiu ficar em silêncio.

Após o interrogatório, ainda nas instalações do tribunal, Joe Berardo sentiu-se mal e teve de ser assistido pelo Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), avançou na noite de ontem a SIC Notícias, acrescentando que não foi necessário encaminhar o empresário para uma unidade hospitalar.

Recorde-se que a Defesa tem sublinhado por diversas vezes o frágil estado de saúde de Berardo.

O Comendador madeirense e o seu advogado estão indiciados por burla qualificada, fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais, falsidade informática, falsificação, abuso de confiança e descaminho ou destruição de objetos colocados sob o poder público.

O caso, que conta com 11 arguidos (cinco pessoas individuais e seis pessoas coletivas) foi tornado público depois de uma operação policial em que foram feitas cerca de meia centena de buscas, três das quais a estabelecimentos bancários.

Em causa no processo está um grupo "que entre 2006 e 2009 contratou quatro operações de financiamentos com a CGD, no valor de cerca de 439 milhões de euros" e que terá causado "um prejuízo de quase mil milhões de euros" à CGD, ao Novo Banco e ao BCP.

Leia Também: Joe Berardo sentiu-se mal e teve de ser assistido pelo INEM

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório