Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2021
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 15º

Edição

António Costa cria comissão técnica para rever leis durante a pandemia

O chefe de Governo entende que, em contexto de pandemia, "não se deveria legislar precipitadamente sobre matéria tão sensível".

António Costa cria comissão técnica para rever leis durante a pandemia

O primeiro-ministro anunciou, esta terça-feira, a criação de uma comissão técnica com a Procuradoria Geral da República (PGR) e a Provedoria de Justiça para a revisão do quadro jurídico aplicável em contexto de pandemia. 

Esta comissão técnica será responsável pelo "estudo e elaboração de anteprojetos de revisão do quadro jurídico vigente em função da experiência vivida durante a pandemia da doença COVID-19", refere o comunicado enviado às redações pelo gabinete do primeiro-ministro. 

Considerando o "quadro pandémico tão prolongado e com tantas circunstâncias da vida que importa regular", António Costa entende que "não se deveria legislar precipitadamente sobre matéria tão sensível". 

Com efeito, foi dado início ao processo de "revisão do quadro jurídico de que o país deve dispor para enfrentar, com plena segurança jurídica, circunstâncias semelhantes que num indesejado futuro possam ocorrer". 

A comissão técnica será presidida pelo juiz conselheiro jubilado António Henriques Gaspar, sendo composta pelo procurador-geral adjunto João Possante, em representação da procuradora Geral da República, e Afonso Pereira, em representação da provedora de Justiça.

Esta comissão, que exercerá funções a partir de 1 de julho por um período de quatro meses, integra também o professor doutor Alexandre Abrantes, docente da Escola Nacional de Saúde Pública.

No texto do despacho assinado pelo primeiro-ministro, mais concretamente na exposição de motivos sobre a constituição da comissão técnica, defende-se que, ao longo do último ano e meio, em conjuntura de crise sanitária, houve "um excecional sentido do dever de cooperação e solidariedade institucionais entre os diversos órgãos de soberania, as regiões autónomas e as autarquias locais".

Porém, para António Costa, "ficou claro que foi necessário agir num quadro constitucional e legal que não havia sido concebido para as circunstâncias" em que o país tem vivido, "nem a elas está inteiramente ajustado, em nenhum dos instrumentos a que foi necessário - e possível recorrer, do estado de emergência aos mecanismos previstos nas Leis de Bases da Proteção Civil e da Saúde e na Lei relativa ao Sistema de Vigilância em Saúde Pública".

António Costa assinala então que sobre esse tema, "para além de alguma escassa jurisprudência, refletiu, de forma mais sistematizada, a provedora de Justiça nos seus Cadernos da Pandemia e o Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República".

"Deste modo, tratando-se de uma legislação estruturante, deve a intervenção legislativa ser precedida de aprofundado estudo por uma comissão da mais elevada competência técnica, nas áreas jurídica e de saúde pública, e com o envolvimento das duas instituições que, não por acaso, o n.º 2 do artigo 18.º do regime do estado de sítio e do estado de emergência determina que se mantenham em sessão permanente no acompanhamento da execução deste estado de exceção constitucional, com vista ao pleno exercício das suas competências de defesa da legalidade democrática e dos direitos dos cidadãos, o Provedor de Justiça e a Procuradoria-Geral da República", acrescenta-se no texto do despacho do primeiro-ministro.

Leia Também: AO MINUTO: Imunidade de grupo tem de ser revista; Bares? Só com vacina

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório