Meteorologia

  • 28 SETEMBRO 2021
Tempo
19º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Associação quer garantias de que não serão revelados dados de ucranianos

O presidente da Associação dos ucranianos em Portugal, Pavlo Sadokha, exigiu hoje à câmara de Lisboa garantias de que os dados pessoais de cidadãos daquele país não serão revelados como aconteceu com os ativistas russos.

Associação quer garantias de que não serão revelados dados de ucranianos
Notícias ao Minuto

18:34 - 10/06/21 por Lusa

País Pavlo Sadokha

Numa carta dirigida ao presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, Pavlo Sadokha, exige, "garantias de que o mesmo [que aconteceu com três ativistas russos] não será feito com os cidadãos ucranianos".

A preocupação do líder da associação prende-se, concretamente, com os conterrâneos que organizaram em Lisboa "numerosas manifestações contra a agressão russa e contra a anexação da Crimeia", pode ler-se na carta a que a agência Lusa teve acesso.

A Câmara de Lisboa fez chegar às autoridades russas os nomes, moradas e contactos de três manifestantes russos que, em janeiro, participaram num protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor daquele Governo.

A posição foi assumida depois de terem sido divulgadas notícias "sobre a revelação dos dados pessoais dos organizadores das manifestações em frente à embaixada russa em Lisboa", sublinha o mesmo responsável.

A Câmara de Lisboa fez chegar às autoridades russas os nomes, moradas e contactos de três manifestantes russos que, em janeiro, participaram num protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor daquele Governo.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, explicou que "o erro resultou de um funcionamento burocrático dos serviços que aplicaram nesta manifestação aquilo que aplicam à generalidade das dezenas de manifestações que acontecem no município".

Segundo Medina, foi aplicado o procedimento normal que se aplica em todas as manifestações desde 2011, quando foram extintos os governos civis e as competências passaram para as câmaras municipais.

Os ativistas russos cujos dados foram partilhados anunciaram hoje que vão apresentar uma queixa na justiça contra a Câmara Municipal de Lisboa para que tal "não volte a acontecer" com cidadãos portugueses.

O presidente da câmara de Lisboa disse também que a câmara de Lisboa "já tirou consequências desta situação" e alterou procedimentos.

Leia Também: Ativistas russos vão apresentar queixa contra Câmara Municipal de Lisboa

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório