Meteorologia

  • 07 MAIO 2021
Tempo
23º
MIN 13º MÁX 24º

Edição

Caso Valentina. Pai condenado a pena máxima, madrasta a mais de 18 anos

Decisão final do coletivo de juízes foi esta quarta-feira conhecida.

Caso Valentina. Pai condenado a pena máxima, madrasta a mais de 18 anos

O pai de Valentina foi, esta quarta-feira, condenado a 25 anos de prisão, pena máxima, em cúmulo jurídico, avança a RTP3. Já a madrasta foi condenada a 18 anos e nove meses. Sandro Bernardo e Márcia da menina foram ambos condenados por homicídio qualificado, crime de abuso e simulação de sinais de perigo e profanação de cadáver, sendo que o pai foi também condenado por violência doméstica.

O pai, de acordo com a TVI24,  foi condenado a 22 anos pelo crime de homicídio qualificado, 18 meses pela profanação de cadáver, 9 pelo crime de abuso e simulação de sinais de perigo e três anos por violência doméstica

De acordo com o juiz, ambos atuaram em "conjugação de esforços" na morte da criança.

À saída do tribunal, após ser conhecida a sentença, Roberto Rosendo, advogado de Sandro Bernardo assumiu que ainda não sabe se irá recorrer: "Isso tem de ser pensado". 

"Antes de mais, tenho de ler o acórdão", explicou, adiantando que já esperava que Márcia não fosse condenada a uma pena tão pesada quanto a de Sandro. "O tribunal entendeu que a intervenção dela não foi a mesma do que o Sandro. Era expectável."

Recorde-se que durante as alegações finais, o Ministério Público (MP) de Leiria pediu 25 anos de prisão para o pai e para a madrasta de Valentina, que morreu em 2020, em Peniche, alegadamente vítima da violência.

O MP, que acusou o pai e a madrasta de Valentina dos crimes de homicídio qualificado e de profanação de cadáver, em coautoria, garantiu que os "arguidos a mataram".

Além da pena máxima pedida, o MP considerou ainda que o pai devia ser condenado na pena acessória de inibição do poder paternal, não inferior a dez anos. "Não deverão beneficiar de qualquer atenuante. O modo executante é monstruoso", salientou.

Segundo o despacho de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, o casal respondia também pelo crime de abuso e simulação de sinais de perigo, enquanto o pai da criança está ainda acusado de um crime de violência doméstica.

Segundo o relatório da autópsia citado pelo MP, a morte de Valentina "foi devido a contusão cerebral com hemorragia subaracnóidea". O casal escondeu o corpo da Valentina numa zona florestal, na serra d'El Rei (concelho de Peniche), e combinou, no dia seguinte, alertar as autoridades para o "falso desaparecimento" da criança.

Já o médico responsável pela autópsia de Valentina, de nove anos, admitiu ao Tribunal de Leiria que a menina poderia ter sobrevivido, "com sequelas", se tivesse sido socorrida.

[Notícia em atualização]

Leia Também: Pai e madrasta acusados de matar Valentina conhecem hoje acórdão

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório