Meteorologia

  • 15 MAIO 2021
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Ensino à distância roubou a universitários licenciatura que esperavam

A pandemia de covid-19 obrigou o ensino superior a reinventar-se e se alguns cursos conseguiram adotar o modelo 'online' sem prejuízos, noutros casos o ensino a distância impediu aulas práticas, roubando aos estudantes a licenciatura que esperavam.

Ensino à distância roubou a universitários licenciatura que esperavam
Notícias ao Minuto

10:05 - 17/04/21 por Lusa

País Covid-19

Desde que em março do ano passado a pandemia obrigou ao encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, o superior não voltou a ser o mesmo. Quando puderam reabrir, as universidades e politécnicos priorizaram as aulas práticas e laboratoriais e muitas implementaram um regime misto, mantendo algumas aulas 'online'.

Em janeiro, o regresso ao confinamento voltou a meter um travão às atividades presenciais, deixando em suspenso muitas aulas práticas. Agora, com o desejado regresso ao 'campus' a partir de segunda-feira, as disciplinas sacrificadas serão novamente prioridade nos planos dos reitores e presidentes dos politécnicos para a reabertura.

No entanto, para alguns universitários, o tempo que lhes resta até ao final do ano letivo não será suficiente para recuperar aquilo que a pandemia lhes roubou: a licenciatura que esperavam.

É o caso de Madalena Pepolino e Ana Cardoso, estudantes em cursos tão diferentes como Teatro e Jornalismo, que em comum têm uma importante componente prática intransponível para o 'online'.

"Não foi tudo suspenso, [os professores] conseguiram adaptar-se para a distância, mas não conseguimos adquirir, nem de perto, as competências que deveríamos ter adquirido. Toda essa experiência foi perdida", contou à Lusa Ana Cardoso, finalista de Jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) em Lisboa.

Recordando o primeiro confinamento, em março do ano passado, a estudante explica que a faculdade encerrou precisamente no semestre com mais 'ateliers' e aulas práticas e o tempo que devia ter passado nos estúdios de televisão e rádio da escola foi passado em casa.

"Num ano normal, estaríamos a aprender a mexer com câmaras de televisão, com o teleponto, microfones, mesa de som... E não aprendemos nada disso", lamentou, explicando que tudo isso foi trocado pelo telemóvel e pelo computador.

No segundo ano do curso de Teatro da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC), Madalena Pepolino enfrentou desafios diferentes, mas com consequências semelhantes.

"Como atriz, é muito importante fazer, pôr o corpo em prática", explicou, referindo também que a interação e a conexão com os outros "não existe por Zoom".

Os problemas eram muitos, recorda. Replicar as aulas de voz nas plataformas de videoconferência era impossível, nas disciplinas de Corpo os professores tiveram dificuldade em encontrar alternativas para a avaliação e em Interpretação passaram de, em conjunto, pôr em prática as obras aprendidas para as apresentarem em forma de monólogo. 

Por outro lado, nem todos os estudantes tinham em casa as condições adequadas para realizar as atividades práticas, ora porque lhes faltavam espaços amplos, ora porque tinham de os partilhar com outros familiares que também estavam em teletrabalho.

"Eu tinha muitas expectativas, e muita coisa não foi possível. Isso foi uma desilusão", refere Madalena Pepolino, admitindo que, ainda assim, prefere pensar neste período como um desafio em que acabou por adquirir outras competências.

No último ano, Ana Cardoso também não dá o curso como perdido, mas apenas porque, ao contrário de muitos colegas, se envolveu desde o primeiro ano em atividades extracurriculares que lhe permitiram aprender muitas das coisas que acabaram por se perder no plano de estudos.

"Tenho alguns colegas que não tiveram essa experiência e estão a pensar tirar cursos noutras instituições, mas é muito mau termos de estar a pagar por estes cursos quando pagamos para uma licenciatura em que, supostamente, deveríamos ter aprendido essas coisas", lamenta.

Do lado das instituições de ensino superior, existe a perceção de que esta frustração é partilhada por muitos alunos que ainda assim compreendem, como aquelas estudantes, que as escolas fizeram os possíveis para se adaptar ao "novo normal".

"Temos notado muito desalinhamento das expectativas de estudantes que estavam à espera de cursos muito mais práticos e, fruto do ensino à distância, não os pudemos satisfazer", disse à Lusa o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos.

Também o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) manifestou já preocupação com a possibilidade de alguns alunos concluírem os cursos sem adquirir todas as competências previstas, mas com a reabertura a partir de segunda-feira ambos esperam que os atrasos sejam compensados até ao final do ano letivo.

Do outro lado da moeda, há também aqueles alunos que dizem ter perdido pouco com o ensino a distância e esse não é um sentimento partilhado apenas pelos estudantes de cursos sobretudo teóricos.

Sofia Mendonça é disso exemplo. No terceiro ano de Engenharia Informática no Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), o computador pessoal foi sempre o principal instrumento de trabalho e o digital o espaço habitual.

"Não houve perda nenhuma. No nosso caso específico, já é tudo feito 'online' e mesmo nas disciplinas em que isso não acontecia, os professores adaptaram-se", disse, admitindo não sentir sequer necessidade de voltar ao presencial.

Leia Também: Confinar a adolescência tem custos para a saúde mental dos jovens

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório