Meteorologia

  • 21 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Casal português retido em São Tomé foi apoiado por Embaixada, garante MNE

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) afirmou hoje que a Embaixada em São Tomé prestou apoio a um casal português retido há mais de um mês na capital são-tomense, ao contrário do que reclama. 

Casal português retido em São Tomé foi apoiado por Embaixada, garante MNE
Notícias ao Minuto

22:47 - 29/03/21 por Lusa

País MNE

Em resposta à Lusa, fonte oficial do MNE disse que o caso é acompanhado pela representação diplomática em São Tomé e Príncipe desde que esta foi contactada pelo casal e que os serviços consulares da Embaixada têm mantido o contacto e "realizado as devidas diligências junto das autoridades locais para encontrar uma solução que viabilize o seu regresso a Portugal com a maior brevidade possível". 

"Decorrem atualmente contactos entre as autoridades de saúde dos dois países. A Embaixada procurou igualmente obter parecer médico relativamente ao cumprimento das exigências protocolares de biossegurança e procedimentos do laboratório onde foram realizados os testes RT-PCR dos dois cidadãos nacionais, tendo recebido confirmação relativamente ao cumprimento das mesmas", adianta o MNE.

"Não é, em suma, verdade que a Embaixada se tenha escusado a prestar todo o apoio possível a estes dois cidadãos nacionais. Este apoio decorre, naturalmente, tendo presente que a decisão em apreço cabe às autoridades locais", adianta.

O casal de empresários, retido há seis semanas em São Tomé depois de testar positivo à covid-19 quando tentava regressar a Lisboa, acusa a embaixada portuguesa no país de negar qualquer ajuda para ultrapassar a situação.

"Pedimos ajuda à Embaixada de Portugal, passado um mês de cá estarmos, e a resposta foi inexistente", disse à Lusa Cristiana Paiva, através de contacto telefónico.

"[Disseram] que não era responsabilidade da embaixada nós estarmos cá, que a situação epidemiológica de São Tomé está completamente descontrolada, que estávamos basicamente por nossa responsabilidade, que isto não é uma colónia portuguesa, e que eles pouco ou nada podem fazer", disse a empresária.

Cristiana Paiva e Tiago Silva têm uma empresa em Angola e deslocaram-se de Lisboa a São Tomé para "reuniões comerciais com empresas privadas".

Leia Também: Casal retido em São Tomé acusa embaixada portuguesa de negar ajuda

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório