Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2021
Tempo
17º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Liberdade condicional para homem que tentou matar ex-companheira

O Tribunal da Relação do Porto (TRP) concedeu liberdade condicional a um homem que está detido há quase 10 anos pela prática de dois crimes de homicídio na forma tentada, um dos quais teve como vítima a ex-companheira.

Liberdade condicional para homem que tentou matar ex-companheira

O acórdão, datado de 27 de janeiro e a que a Lusa teve hoje acesso, concedeu provimento ao recurso interposto pelo arguido e, em consequência, revogou a decisão do Tribunal de Execução de Penas (TEP).

O condenado, de 50 anos, pediu para ser libertado após atingir os dois terços da pena e o TEP negou a concessão da liberdade condicional por entender que aquele "manifesta ainda lacunas significativas ao nível da interiorização do desvalor da sua conduta, das graves consequências para as vítimas e da necessidade de ser punido".

O arguido recorreu para a Relação do Porto, que concluiu que o recorrente "está em condições de ser inserido na sociedade sem que haja o perigo de cometer crimes".

"O recorrente assume a sua conduta delituosa, denotando capacidade crítica e verbalizando arrependimento sincero, mostra noção da gravidade e ilicitude dos seus comportamentos e consequências para as vítimas, mostra recuperação e vontade de adaptação a uma vida comunitária em liberdade e, acima de tudo, demonstra-o nas suas atitudes presentes e transmite-o a quem lida com ele diariamente", refere o acórdão.

O tribunal deliberou ainda que o arguido deverá cumprir várias regras de conduta, entre as quais manter afastamento e evitar qualquer tipo de contacto com a ex-companheira vítima do seu comportamento passado.

O homem encontra-se a cumprir uma pena única de 13 anos e meiode prisão, que resulta docúmulo jurídico fixado pela prática de dois crimes de homicídio na forma tentada, em ocasiões distintas.

O caso mais recente ocorreu em 18 de setembro de 2011, quando o arguido esfaqueou a ex-companheira por não aceitar que aquela tivesse um relacionamento amoroso com outra pessoa.

De acordo com os factos dados como provados, o arguido entrou no estabelecimento da ofendida, em Amarante, e desferiu-lhe vários golpes com uma faca.

Quando esta já não teve forças para se levantar, o arguido desferiu um golpe na cervical da ofendida, dizendo-lhe "já estás" e deixando a faca espetada no corpo da vítima.

De seguida, dirigiu-se ao automóvel, que deixara a escassas dezenas de metros, com o filho de ambos no seu interior, e saiu do local.

No outro caso, ocorrido em 2010, o arguido esfaqueou um segurança de uma 'boite' que lhe tinha barrado a entrada no estabelecimento.

Em 2006, o arguido já tinha sido condenado no Tribunal de Peso da Régua a uma pena de três anos de prisão, suspensa por quatro anos, pela prática de um terceiro crime de homicídio na forma tentada.

Leia Também: Defesa de Rosa Grilo pede nulidade da pena máxima. E aponta cinco razões

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório