Meteorologia

  • 02 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 15º

Edição

Petição que manifesta "revolta dos cabeleireiros" já deu entrada na AR

Vânia de Oliveira, gerente de um cabeleireiro em Braga, lançou uma petição pública onde pede a reabertura dos estabelecimentos por marcação. Espera chegar às 7.500 assinaturas.

Petição que manifesta "revolta dos cabeleireiros" já deu entrada na AR

A petição que manifesta a "revolta dos cabeleireiros", lançada por Vânia de Oliveira, gerente de um espaço em Braga, e que pede a reabertura dos estabelecimentos por marcação, ultrapassou as 2.500 assinaturas necessárias e deu entrada na Assembleia da República. A empresária espera conseguir chegar às 7.500.

Vânia de Oliveira "mal atingiu as 2.500 assinaturas, submeteu à AR a petição pública que continua em curso" e que conta, neste momento, com mais de 4 mil assinaturas, é referido num comunicado a que o Notícias ao Minuto teve acesso.

Neste, a cabeleireira afirma ainda que a "revolta está cada vez mais crescente, dado que as estações televisivas continuam a prestar serviços desta índole e os cabeleireiros têm, por imposição legislativa, que ter a atividade encerrada (onde se inserem as domiciliações)".

"Estou a fazer isto por todos, desde ginásios, bares, discotecas, restaurantes, organizadores de evento, profissionais liberais, prestadores de serviços de todos os sectores, daqueles que estão fechados", acrescenta Vânia de Oliveira.

Pode ler aqui a petição na íntegra

De lembrar que a gerente decidiu processar o Estado, considerando que não há igualdade no âmbito das restrições impostas para controlar a pandemia. Vânia Oliveira sentiu "revolta" quando viu uma "figura pública a receber tratamentos de cabeleireiro". A ação que visa a proteção de direitos, liberdades e garantias, deu entrada no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga.

Embora reconheça que “o cenário é assustador ao nível da saúde pública" e que deve haver "restrições", Vânia pede que “haja igualdade, proporcionalidade". "Se não é possível prestar serviços de cabeleireiro, então ninguém os pode prestar. Além disso, tem que haver igualdade no tratamento dos vários setores, até porque existem exceções na lei que estão com possibilidade de abertura, são focos grandes de contágio, mas não foram obrigados a encerrar", destacou.

Leia Também: Depois do processo, a petição. Cabeleireira pede reabertura por marcação

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório