Meteorologia

  • 08 MARçO 2021
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

Investigadores da U. Porto detetam ondas internas no rio Douro

Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) detetaram, "pela primeira vez", a existência de ondas internas geradas pela pluma do Rio Douro que podem "dar pistas" sobre a existência de poluição costeira, foi hoje revelado.

Investigadores da U. Porto detetam ondas internas no rio Douro
Notícias ao Minuto

09:01 - 22/01/21 por Lusa

País Rio Douro

Em comunicado, a FCUP explica hoje que o estudo, publicado na revista Scientific Reports da Nature, detetou a existência de ondas internas geradas pela pluma do Rio Douro, destacando estar em causa algo pioneiro porque pela "primeira vez, a nível mundial, comprovada a existência destas ondas em rios de caudal mais pequeno".

A pluma, formada quando águas de diferentes densidades se encontram, é uma forma de transporte de nutrientes ou de poluentes do rio para o oceano.

"Estas ondas internas, de grande amplitude e que se propagam entre a pluma e o mar, são importantes na regulação do clima e podem também dar pistas sobre a possível existência de poluição costeira, com impacto na saúde pública", refere a instituição.

Citado no comunicado, José da Silva, docente da FCUP e investigador do Instituto de Ciências da Terra afirma que, apesar do conhecimento sobre a possível existência de ondas internas, tal nunca tinha sido comprovado.

Para a realização deste estudo foram necessárias "várias idas ao mar" para fazer medições 'in situ' de parâmetros como a salinidade e a temperatura, trabalho levado a cabo pelo investigador Renato Mendes do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR).

Já no laboratório, os investigadores conciliaram a análise com a observação de dados de satélite fornecidos pelo Sentinel -2 da Agência Espacial Europeia (ESA).

"Acreditava-se que as ondas internas apenas se podiam gerar em regime supercrítico, ou seja, quando a intensidade das correntes provenientes do rio fosse superior à velocidade de propagação de ondas internas", esclarece o investigador.

Segundo José da Silva, "pensava-se que apenas os rios de grande caudal conseguiam gerar ondas internas na região litoral", como o Rio Columbia, na costa oeste dos Estados Unidos da América (EUA).

De acordo com o investigador, o próximo passo do estudo é analisar o conteúdo que resulta da mistura das ondas internas, nomeadamente, a acumulação na pluma do rio (visível à superfície e de cor amarelada) de "matéria orgânica, bactérias e vírus".

Esta investigação integra o projeto DORIS, coordenado pela FCUP e no âmbito do qual está a ser desenvolvido por investigadores do Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) um veiculo de superfície autónomo para recolher amostras do material orgânico que existe à superfície da pluma.

Posteriormente, o material orgânico será analisado no Departamento de Biologia da Universidade de Aveiro.

"Estas amostras podem dar importantes pistas sobre a poluição na zona costeira", acrescenta a FCUP.

Leia Também: UTAD adapta atividades letivas e avaliações para o regime não presencial

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório