Meteorologia

  • 27 FEVEREIRO 2021
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Portimão condiciona acessos a praias e espaços públicos do concelho

A Câmara de Portimão condicionou hoje o acesso a várias zonas do litoral e espaços públicos no concelho para evitar a aglomeração de pessoas, face ao agravamento da pandemia da covid-19.

Portimão condiciona acessos a praias e espaços públicos do concelho
Notícias ao Minuto

14:46 - 21/01/21 por Lusa

País Covid-19

"Foram colocadas baias e sinalização específica para condicionar o acesso e a permanência a zonas onde se tem verificado maior aglomeração de pessoas nos últimos dias", disse à agência Lusa a presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes (PS), do distrito de Faro.

As autoridades locais condicionaram durante a última noite os acessos à marina de recreio, às praias mais frequentadas, zonas ribeirinhas, permitindo apenas o acesso a trabalhadores devidamente credenciados, e foi proibida a utilização dos bancos nos espaços públicos e jardins.

Para fazer cumprir as restrições, a autarquia anunciou o reforço do policiamento "nas zonas utilizadas habitualmente por um maior número de pessoas", nos designados passeios higiénicos.

Segundo Isilda Gomes, a medida visa impedir que a população, "continue a circular e a utilizar os espaços públicos num período crítico em que se regista um aumento muito significativo" do número de infetados pela covid-19.

"A situação é muito difícil, para não dizer catastrófica e cada um tem a assumir as suas responsabilidades", sublinhou.

Segundo os dados divulgados pelo município, Portimão contabilizava 205 casos ativos na quarta-feira, 36 dos quais novos casos e um total de 297 novas infeções nos últimos 14 dias.

Com uma população de 55.483 habitantes, o município encontra-se em situação de risco muito elevado, de acordo com o indicador estabelecido pelo Governo, de número de casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

A presidente da autarquia, recordou que as restrições impostas à circulação e permanência na rua "visam, sobretudo, travar o contágio e salvaguardar a saúde e a vida das pessoas".

"É preciso que as pessoas tenham consciência dos elevados riscos para a saúde e para a economia do país", enfatizou.

Isilda Gomes reforçou o apelo que tem sido feito constantemente desde o início da pandemia: "Fiquem em casa, protejam-se a si e aos seus, para evitar as transmissões, o número de internamentos hospitalares e as mortes".

Portugal registou hoje 221 mortes relacionadas com a covid-19, o maior número de óbitos em 24 horas desde o início da pandemia, em março de 2020, e 13.544 casos de infeção com o novo coronavirus, segundo o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim revela também que estão internadas 5.630 pessoas, mais 137 do que na quarta-feira, das quais 702 em unidades de cuidados intensivos, ou seja, mais 21, dois valores que também representam novos máximos da fase pandémica.

O número diário de novos casos ativos é o mais alto de sempre. Estão hoje ativos 151.226, mais 7.450 nas últimas 24 horas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório