Meteorologia

  • 03 MARçO 2021
Tempo
21º
MIN 10º MÁX 21º

Edição

Vida dos bolseiros do Camões ficou mais difícil nos PALOP e em Portugal

Aulas interrompidas e sem ensino à distância, anos letivos prolongados e abandono escolar foram alguns dos efeitos da covid-19 nas bolsas de estudo que o instituto Camões atribuiu em 2020 a estudantes dos PALOP e Timor-Leste nos seus países.

Vida dos bolseiros do Camões ficou mais difícil nos PALOP e em Portugal
Notícias ao Minuto

08:20 - 18/01/21 por Lusa

País Covid-19

Questionado pela Lusa, o organismo português referiu que "na maioria dos países existiram impactos significativos, nomeadamente aulas interrompidas durante meses, sem recurso a ensino à distância, anos letivos prolongados por alguns meses e alunos que desistiram de estudar".

Em 2020, o Camões -- Instituto da Cooperação e da Língua, atribuiu 216 bolsas internas, na sua maioria licenciaturas, mas também do ensino secundário e mestrado.

Em relação às bolsas de estudo externas (licenciatura, mestrado e doutoramento em Portugal), foram atribuídas 194 a alunos dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste no mesmo período: 134 licenciaturas, 36 mestrados e 24 doutoramentos.

Segundo o instituto Camões, "apesar de alguns bolseiros terem justificado resultados escolares menos positivos com a situação da covid-19, não se pode afirmar na generalidade que a pandemia terá tido um impacto significativo nas classificações académicas".

Todavia, o Camões reconhece que os "constrangimentos" resultantes da pandemia "trouxeram, aos novos bolseiros, dificuldades acrescidas ao nível logístico e administrativo, nomeadamente dificuldades na obtenção de documentos locais para apresentação aos concursos ao ensino superior, dificuldades na obtenção de vistos em virtude das restrições no atendimento ao público pelas embaixadas e consulados, dificuldades na realização de voos, dificuldades nas matrículas (apenas por marcação)", entre outras.

Para o corrente ano letivo de 2020/2021, este instituto disponibilizou 279 bolsas internas para benefício de alunos a estudar nos PALOP e em Timor-Leste: Angola (40), Cabo Verde (44), Guiné-Bissau (60), Moçambique (35), São Tomé e Príncipe (60) e Timor-Leste (40).

Para o mesmo período estiveram disponíveis 210 bolsas de licenciatura, mestrado e doutoramento em Portugal para estudantes provenientes de Angola (26), Cabo Verde (36), Guiné-Bissau (33), Moçambique (54), São Tomé (33) e Timor-Leste (24). Foram igualmente beneficiados dois alunos de mestrado do Senegal e dois da Colômbia.

Contudo, o número final deverá ser semelhante ao do ano letivo passado, uma vez que o concurso do Senegal ficou deserto, a Guiné-Bissau não preencheu todas as vagas e alguns bolseiros não tiveram as bolsas de estudo renovadas por incumprimento do regulamento.

Por seu lado, as autoridades de Timor-Leste, devido à covid-19, entenderam que não estavam reunidas as condições para proceder à abertura de concurso e posterior envio de estudantes para Portugal e não abriram os concursos de bolsas de estudo.

O Camões atribui ainda anualmente cerca de 50 bolsas no domínio da Defesa, a usufruir nos estabelecimentos de ensino militar em Portugal, e bolsas de ensino superior policial (33 bolseiros nos últimos anos, apenas para bolseiros de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau).

A pandemia de covid-19 originou alterações nos procedimentos habituais dos concursos para estas bolsas de cooperação, nomeadamente a possibilidade de os documentos digitalizados passarem a ser aceites pelo Ministério do Ensino Superior de Portugal.

Segundo o Camões, "foi também acautelado que nenhum bolseiro viajaria para Portugal sem ter previamente assegurado local de residência".

Leia Também: "É preciso aprofundar a cooperação económica nos PALOP"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório