Meteorologia

  • 20 ABRIL 2021
Tempo
18º
MIN 14º MÁX 20º

Edição

Espionagem a jornalistas. ERC salienta "gravidade" e exige medidas ao MP

Procuradora do Ministério Público terá ordenado à PSP que vigiasse dois jornalistas.

Espionagem a jornalistas. ERC salienta "gravidade" e exige medidas ao MP

A Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC) já reagiu às notícias de espionagem a dois jornalistas, por parte da PSP, a mando de uma procuradora do Ministério Público (MP) de Lisboa.

“Do exposto resulta que a ERC venha a assinalar a gravidade da conduta descrita, esperando que a hierarquia do MP tome medidas para, no futuro, impedir quaisquer limitações à liberdade de imprensa e aos direitos dos jornalistas”, lê-se na nota publicada pela ERC no seu site oficial.

No mesmo comunicado, a ERC salienta que o MP não é um tribunal e que “determinar à PSP o seguimento/vigilância de jornalistas, sem estar munido de qualquer mandado judicial (…) indicia ostensivo olvidar de direitos fundamentais de jornalistas elencados no artigo 6.º do Estatuto do Jornalista”.

Recorde-se que, de acordo com o jornal Público, a magistrada Andrea Marques, do DIAP de Lisboa, ordenou que a PSP lançasse uma operação de espionagem a dois jornalistas, com registo fotográfico. A vigilância incidiu sobre Henrique Machado, o editor de Justiça da TVI que, na altura, trabalhava no Correio da Manhã, e sobre Carlos Rodrigues Lima, subdiretor da revista Sábado.

De acordo com o mesmo jornal, a espionagem ocorreu em via pública, entre abril e maio de 2018, no âmbito de uma investigação por violação de segredo de justiça.

Leia Também: Vigilância policial de jornalistas é "absolutamente inaceitável"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório