Meteorologia

  • 15 OUTUBRO 2019
Tempo
19º
MIN 12º MÁX 20º

Edição

"As reitorias nunca tiveram vontade de expulsar as praxes"

A socióloga Rita Ribeiro dá hoje uma entrevista ao Público em que explica que “as reitorias nunca tiveram vontade de expulsar a praxe ou de a domesticar sequer, porque os reitores precisam de ter os alunos do seu lado”. Para a investigadora, “a solução não está na rejeição completa”, mas em “algum equilíbrio da domesticação destas práticas”.

"As reitorias nunca tiveram vontade de expulsar as praxes"

Na tentativa de “entender” o fenómeno das praxes académicas, a Universidade do Minho encomendou um estudo à socióloga Rita Ribeiro, que falou com o Público sobre o tema que tando tem sido comentado após a tragédia no Meco.

Nas palavras da investigadora, a praxe rege-se por uma “ideia de tradição” e por um sinal de “reconhecimento estatutário por parte da sociedade” (…), que “servem para constituir aquilo a que alguns autores chamam o espírito de corpo” e em que há um “pacto de silêncio” que funciona como “proteção” entre o grupo.

Trata-se de um conjunto de práticas e limitações “implícitas”, daí a diversidade entre a praxe de umas universidades e cursos para outros, “em que há uma hierarquia muito forte, sobretudo nos primeiros tempos, e em que há uma formatação completa daqueles que estão a ser praxados”, como contatou Rita Ribeiro.

Mas, apesar das críticas que têm surgido ao longo dos últimos anos, “as reitorias nunca tiveram vontade de expulsar a praxe ou de a domesticar sequer, porque os reitores precisam de ter os alunos do seu lado”.

“A solução não está numa rejeição completa. Algum equilíbrio da domesticação destas práticas é o ideal, mas não é fácil de se conseguir”, explicou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório