Meteorologia

  • 18 JANEIRO 2021
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Violência doméstica. Ministra confirma maior procura de apoio na 2ª vaga

Assinala-se, esta quarta-feira, o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

Violência doméstica. Ministra confirma maior procura de apoio na 2ª vaga
Notícias ao Minuto

08:38 - 25/11/20 por Notícias ao Minuto 

País Mariana Vieira da Silva

Mariana Vieira da Silva, ministra de Estado e da Presidência, confirmou, esta quarta-feira, que tem-se registado um "aumento da procura de apoio nesta segunda vaga" da pandemia por parte de vítimas de violência doméstica, no país

Em declarações à SIC Notícias, no Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, a governante realçou que, desde que o surto começou no país, o Governo reforçou a capacidade de resposta de apoio às vítimas de violência doméstica, lançado, por exemplo, novos canais de comunicação de denuncias - Linha SMS 3060 - ou através de contactos realizados pelas autoridades a mulheres que já tinham feito denúncias. 

Ainda assim, Mariana Vieira da Silva, confirmou que nesta segunda vaga os pedidos de apoio de vítimas têm aumentado. Entre os vários possíveis fatores, a ministra sublinhou que este aumento consequentemente de casos de violência doméstica pode ser um reflexo do "sentimento de saturação" provocado pela pandemia que, apesar de "não desculpar nada", aumenta o risco de violência doméstica. "Estamos a procurar mais soluções", garantiu. 

Para além do contexto específico provocado pela Covid-19, a governante realçou que, desde agosto de 2019, o Executivo tem "trabalhado intensamente" - sobretudo, através dos Ministérios da Justiça, Administração Interna e Trabalho, Solidariedade e Segurança Social - com as organizações de apoio às mulheres, "numa ação integrada que permite que todas as mulheres que apresentem queixa tenham nas primeiras 72 horas a resposta que precisam".

"O objetivo é gerar um movimento de confiança a quem quer apresentar queixa", afirmou.

Para a ministra, um dos passos mais importantes que se tem dado nos últimos tempos nesta área, é o início do desaparecimento do "sentimento de impunidade" que está associado aos agressores. Segundo Mariana Vieira da Silva, hoje "as pessoas conhecem melhor a rede que as suporta" e têm mais confiança nas autoridades e na Justiça

"Olhamos para os números do ano passado e verificamos que este ano há menos mulheres mortas, temos mais vítimas protegidas e mais agressores com pulseiras eletrónicas ou presos", argumentou.  

O Governo lançou, esta quarta-feira, uma nova campanha de combate à violência doméstica, desta vez centrada no papel das testemunhas na denúncia deste crime, espalhada por transportes públicos, rede multibanco, hipermercados, estações de serviço ou órgãos de comunicação social.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório