Meteorologia

  • 15 JUNHO 2021
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 32º

Edição

Veterinários. Elevado número de recém-formados pode saturar mercado

Um estudo da Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) indica que há um risco elevado de o número de recém-formados nesta área vir a saturar o mercado de trabalho, diminuindo a qualidade dos serviços prestados.

Veterinários. Elevado número de recém-formados pode saturar mercado
Notícias ao Minuto

13:25 - 23/11/20 por Lusa

País Ordem dos Veterinários

O estudo, que é inédito em Portugal e que analisa as particularidades nacionais da demografia e empregabilidade neste setor, mostra que a maioria dos médicos veterinários tem menos de 40 anos e que há mais mulheres do que homens veterinários, num setor com índices de empregabilidade elevados.

O trabalho, feito pelo Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES) do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), em colaboração com o Grupo de Demografia e Empregabilidade da OMV, revelou que a maior parte dos médicos veterinários não realiza formação pós-graduação (por exemplo, doutoramento) após terminar a licenciatura/mestrado integrado.

Em comunicado, citando dados de um estudo da Federação Europeia de Veterinários (FVE) sobre a evolução do número de médicos veterinários ativos por cada 100 mil habitantes, a OMV diz que um grande crescimento destes profissionais em Portugal entre 2011 (22) e 2018 (59) e que este aumento foi superior ao que aconteceu com a média europeia.

Os dados da FVE mostram ainda que, em 2018, Portugal era o país europeu com a maior percentagem de médicos veterinários com idade inferior a 40 anos, com 61%, contra a média europeia de 41%. No período em análise, observou-se ainda um aumento da percentagem de mulheres médicas veterinárias, de 62% em 2015 para perto de 65% em 2018, valor que se situa acima da média europeia de 58%.

Quando analisada a empregabilidade dos membros ativos da OMV, em 2018, a maioria encontrava-se integrada no setor privado como empregado (45%), seguido do setor privado como proprietário (22%). A percentagem de profissionais que integravam o setor público é de 12%, enquanto 7% optaram pela investigação e indústria.

O crescimento e o desenvolvimento profissional são os fatores que motivam a procura de outros mercados de trabalho, segundo o estudo, que idica que o Reino Unido lidera os destinos escolhidos, com 24,9%, seguido de Espanha (20,7%), França (7,5%) e Estados Unidos (6,9%).

Quanto à relação dos médicos veterinários com a profissão, o inquérito indica índices de satisfação com a profissão elevados, com cerca de 74% a manifestar-se satisfeitos com as condições gerais de trabalho e 66% com o horário de trabalho.

Mais dividida é a noção de haver uma adequada conciliação entre a vida pessoal e profissional (aproximadamente 50%).

"Um dado preocupante é o que indica que cerca de 30% daqueles que responderam ao inquérito não voltariam a enveredar pela profissão de médico veterinário", indica a OMV, em comunicado, sublinhando que mais de 65% dos inquiridos discorda ou discorda totalmente que a profissão seja socialmente prestigiada e reconhecida em Portugal.

Em contraste, "mais de 70% considera que a competência dos médicos veterinários portugueses é reconhecida lá fora", acrescenta.

O estudo mostrou ainda que os veterinários inquiridos têm a perceção de que o público, de uma forma geral, "não conhece a diversidade dos campos de atuação dos médicos veterinários".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório