Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Recolher obrigatório? "É algo que temos de começar a pensar seriamente"

Fausto Pinto, presidente do Conselho de Escolas Médicas Portuguesas, defendeu o uso da máscara como forma de quebrar a transmissão do vírus: "Hoje em dia sabemos que o uso da máscara, neste momento, é, possivelmente, a medida mais eficaz contra esta pandemia".

Recolher obrigatório? "É algo que temos de começar a pensar seriamente"

Fausto Pinto, presidente do Conselho de Escolas Médicas Portuguesas, afirmou, esta sexta-feira, em entrevista à SIC Notícias, que os números da incidência da Covid-19 no nosso país são "preocupantes" e que mostram que "a infeção está ativa". "Daí a necessidade de haver medidas mais restritivas e mais assertivas para que possamos enfrentar esta fase complexa e de crescimento"

Para o especialista, "se não houver medidas que possam contrapor esta evolução, isto vai ter consequências que podem ser bastante mais complexas do que aquelas que nós gostaríamos". Assim, reiterou, são números "preocupantes" e a partir dos quais o Governo tem tomado "algumas medidas, mas, talvez, tem de ir um pouco mais além". 

Sobre as restrições decretadas para o fim de semana dos finados e para três concelhos do Norte, Fausto Pinto considerou irem "ao encontro de procurar diminuir as cadeias de transmissão".

"Acho que, neste momento, a combinação daquilo que são medidas assertivas em termos de saúde pública - e a saúde pública tem de estar de mãos dadas com a economia, só pode haver economia se houver uma saúde pública adequada e vice-versa - e, nesse sentido, algumas medidas como por exemplo o recolher obrigatório, que seguramente está no pensamento das nossas autoridades, é algo que temos de começar a pensar muito seriamente", defendeu, para não terem de ser tomadas "medidas ainda mais restritivas como seja o confinamento mais pesado". 

E aqui, sublinhou, não se trata de "um querer ou não querer". A realidade mostra uma situação "que não está controlada" e a ter uma "evolução". "Medidas como aquela que agora foi aprovada da máscara obrigatória pela qual nós temos vindo a pugnar há muito tempo" são, desta forma, um passo para a contenção da pandemia

O especialista, que afirmou não conseguir compreender "algumas autorizações" que permitem aglomerações, foi questionado sobre o regresso de algum público aos jogos de futebol: "Discordo seja no futebol, seja no que for. Discordo completamente. Nesta fase, não é fase para termos aglomerações de pessoas por uma razão simples: é muito difícil, por mais que sejam impostas algumas regras, que essas regras sejam cumpridas"

"Este não é o momento para estarmos com atividades que só vão potenciar as contaminações: os casamentos, os batizados, as touradas, o que for. Tudo o que seja a presença de um número significativo de pessoas está completamente contra-indicado", acrescentou. 

Fausto Pinto, que é também dinamizador do Movimento 'Máscaras para Todos', saudou "de forma efusiva" o uso obrigatório de máscara na rua por três meses aprovado esta sexta-feira no Parlamento. "Há muito tempo que andamos a pugnar por esta medida e tem a ver, sobretudo, com ter uma atitude pedagógica para com as pessoas. Hoje em dia sabemos que o uso da máscara, neste momento, é, possivelmente, a medida mais eficaz contra esta pandemia". 

De lembrar que, nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.899 infetados com o novo coronavírus e 31 mortes relacionadas com a doença. Saliente-se que este é o número de mortos mais elevado desde dia 24 de abril, em que foram reportados 34 óbitos pela doença, mas os contágios voltaram a descer, depois de esta quinta-feira ter sido superada a 'barreira' dos três mil.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório