Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2020
Tempo
14º
MIN 8º MÁX 17º

Edição

UNICEF alerta para níveis ainda elevados de pobreza infantil em Portugal

Os níveis de pobreza infantil continuam elevados em Portugal, alertou hoje a UNICEF, sublinhando que se estima em 22,3% a percentagem de crianças a viver nesta situação, pelo que recomenda medidas destinadas a aumentar o rendimento das famílias.

UNICEF alerta para níveis ainda elevados de pobreza infantil em Portugal
Notícias ao Minuto

13:06 - 20/10/20 por Lusa

País Estudo

Os dados são do Eurostat, relativos a 2019, e constam num relatório hoje divulgado pela agência da ONU para a infância, no âmbito de um trabalho realizado a nível internacional.

"A taxa de risco de pobreza é mais elevada em famílias com filhos, nomeadamente, em famílias numerosas (30,2%) e em famílias monoparentais (33,9%)", afirma a UNICEF no documento que acompanha o estudo, reportando-se a dados do Instituto Nacional de Estatística, de 2018.

A presença de crianças num agregado familiar continua a estar associado a um risco de pobreza acrescido, de acordo com a instituição.

"Estima-se que serão necessárias cinco gerações para que os descendentes de uma família de baixos rendimentos alcance o nível de rendimento médio", adverte a UNICEF, referindo dados de 2018 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, segundo a qual Portugal tem "um dos níveis mais altos de desigualdade de rendimentos da União Europeia e da OCDE".

De acordo com a diretora executiva da UNICEF Portugal, Beatriz Imperatori, citada em comunicado, a atual crise provocada pela pandemia de covid-19 continuará a ter um impacto desproporcionado nas crianças, mulheres e raparigas, ameaçando inverter os ganhos duramente conquistados na luta pela igualdade de género".

As medidas de proteção social têm, assim, "um papel crucial a desempenhar na mitigação dos mecanismos de sobrevivência dos pobres e dos mais vulneráveis", defende.

"Combater as desigualdades é um investimento crucial para as crianças e também para quebrar o ciclo intergeracional de pobreza e exclusão social", adverte a responsável.

Dados do Banco Mundial e da UNICEF sugerem que a maioria dos países respondeu à crise através da expansão de programas de proteção social, particularmente transferências monetárias.

Estas medidas proporcionam "uma plataforma para investimentos a longo prazo em capital humano", sustenta a organização. "Particularmente quando em combinação com outras medidas de desenvolvimento infantil e associadas à prestação de serviços sociais de alta qualidade, as transferências monetárias têm demonstrado responder à pobreza monetária e multidimensional e melhorar a saúde, nutrição, e os resultados cognitivos e não cognitivos das crianças".

Porém, muitas das respostas são de curto prazo e "não são adequadas para responder à dimensão e à recuperação no longo prazo", na opinião da UNICEF.

"É mais importante do que nunca que os governos aumentem e ajustem os seus sistemas e programas de proteção social para se prepararem para choques futuros", lê-se no relatório.

A UNICEF Portugal apela para uma abordagem a` pobreza baseada nos direitos da criança, que promova uma alteração de paradigma e análise das suas causas e fatores.

Consequentemente, recomenda a adoção de uma resposta integrada que inclua medidas destinadas a aumentar o rendimento das famílias, o acesso a serviços sociais, a educação e saúde de qualidade desde os primeiros anos de vida, intervenção precoce, transportes e mobilidade, e melhoria das condições de habitabilidade.

A informação consta num novo relatório do Grupo do Banco Mundial e da UNICEF divulgado hoje, por ocasião do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório