Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

É detentor de um cão potencialmente perigoso? Tem de cumprir estas normas

Polícia de Segurança Pública revela ainda quais as raças que são consideradas neste 'grupo'.

É detentor de um cão potencialmente perigoso? Tem de cumprir estas normas

Se é dono de um cão de raça potencialmente perigosa, o Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública (Cometlis) fez uma publicação esta quarta-feira, no Facebook, onde explica indica quais as normas legais que é obrigado a cumprir.

Para ser dono de um animal deste 'grupo', tem de ser "maior de 16 anos" e "possuir uma licença especial", começa por indicar a Autoridade. 

Além disto, tem ainda de "ter seguro de responsabilidade civil para o cão", assim como apresentar o seu "registo criminal" e o "comprovativo de esterilização" do animal.

É ainda obrigado a "entregar um termo de responsabilidade".

Já no que ao animal diz respeito, este deve "possuir vacina antirrábica válida" e "estar identificado com microchip".

No mesmo post, a PSP indica as sete raças de cães potencialmente perigosas e quais as características de cada animal da referida raça: a origem, a esperança de vida, a altura e o peso. 

São elas: 

  • Tosa Inu (Japão; 8-10 anos; 60 cm; até 90 kg); 
  • Dogo Argentino (Argentina; 10-12 anos; 70cm; 50 kg); 
  • Fila Brasileiro (Brasil; 8-10 anos; 75 cm; 70 kg); 
  • Rottweiler (Alemanha; 8-12 anos; 70 cm; 50 kg); 
  • American Staffordshire Terrier (EUA; 10-12 anos; 35-45 cm; 35 kg); 
  • Pitt Bull Terrier (EUA; 10-12 anos; 30-45 cm); 
  • Staffordshire Bull Terrier (Inglaterra; 10-12 anos; 30-35 cm; 17 kg). 

Leia Também: Finlândia testa cães farejadores para identificar indivíduos com Covid-19

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório