Meteorologia

  • 01 DEZEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

INE regista aumento de mortes em casa a partir de março

Quase metade das mortes registadas em Portugal na semana de 16 a 23 de março ocorreu em casa ou outro local fora do hospital, segundo dados preliminares hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

INE regista aumento de mortes em casa a partir de março
Notícias ao Minuto

16:45 - 23/09/20 por Lusa

País INE

"Embora a maior proporção de óbitos tenha sempre ocorrido em estabelecimento hospitalar, a partir de 02 de março a proporção de óbitos em domicílio e outro local foi superior à média de 2015-2019, atingindo na semana 12 (16 a 23 de março) 46,1% do total de óbitos nessa semana", escreve o INE numa informação relativa ao acompanhamento da pandemia de covid-19.

De acordo com os dados disponíveis, até 30 de agosto, registaram-se este ano 79.860 óbitos, número superior ao observado em anos anteriores. Comparativamente à média de óbitos para o período homólogo de 2015-2019, em 2020 registaram-se mais 4.791 óbitos.

Nos primeiros dois meses de 2020, o número de mortes foi, em geral, inferior aos valores médios observados nos últimos cinco anos, mas enquanto em anos anteriores a mortalidade continuou a decrescer nos meses seguintes, em março deste ano começou a aumentar.

Entre 02 de março, data em que foram diagnosticados os primeiros casos de covid-19 em Portugal, e 30 de agosto, morreram 57.971 pessoas, mais 6.312 do que a média registada no período homólogo de 2015-2019. "Destes, 1.822 foram atribuídos à covid-19", precisa o INE.

Entre 02 de março e 30 de agosto, morreram 28.400 homens e 29.391 mulheres (mais 2.597 e mais 3.715, respetivamente, em relação à média do período homólogo em análise).

Segundo o INE, o aumento dos óbitos em 2020, relativamente à média de 2015-2019, atingiu um primeiro pico na semana de 06 a 12 de abril e registou o valor mais elevado na semana de 13 a 19 de julho, mais cerca de 800 óbitos, a que "não terá sido alheio o facto de o mês de julho de 2020 ter sido extremamente quente".

"O acréscimo da mortalidade verificado a partir de março, relativamente à média dos últimos cinco anos, só é explicado em parte pelos óbitos atribuídos à COVID-19", assegura o INE.

Mais de 70% dos óbitos foram de pessoas com idades iguais ou superiores a 75 anos.

O maior acréscimo no número de óbitos relativamente à média 2015-2019 registou-se na região Norte, com exceção da última semana de junho e as primeiras de julho, em que o acréscimo foi superior na Área Metropolitana de Lisboa.

AH // ZO

Lusa/fim

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório