Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2019
Tempo
24º
MIN 17º MÁX 27º

Edição

CDS defende recuo do ensino obrigatório para o 9º ano

Uma das propostas que será apresentada este fim-de-semana pela Juventude Popular (JP) durante o 25º congresso do CDS que decorre em Oliveira do Bairro prende-se com a revisão da escolaridade obrigatória. De acordo com o Diário de Notícias, são pelo menos cinco os secretários de Estado do CDS que apoiam a proposta da JP de fazer recuar a escolaridade obrigatória para o 9º ano.

CDS defende recuo do ensino obrigatório para o 9º ano

A Juventude Popular vai apresentar no 25º congresso do CDS, que decorre este fim-de-semana em Oliveira do Bairro, uma moção designada ‘Libertar Portugal, Conquistar o Futuro’. No documento a que o Diário de Notícias teve acesso, o líder da JP explica porque defende o recuo da escolaridade obrigatória do 12º para o 9º ano.

“Acreditamos que o prolongamento até ao 12º ano do ensino obrigatório é um erro e que se devia recuar para o 9º ano”, escreveu Miguel Pires da Silva, citado pelo DN.

A proposta não é apenas defendida por membros da JP. João Almeida, Miguel Morais Leitão, Adolfo Mesquita Nunes, Leonardo Mathias e Vânia Dias da Silva – cinco secretários de Estado do CDS – também apoiam esta alteração da lei porque acreditam que “a liberdade de aprender (…) é um direito fundamental de cada pessoa”.

Na moção a ser apresentada, a JP explica que está preocupada com os “impactos” que a escolaridade obrigatória fixada no 12º ano desde 2012 tem tido no abandono escolar. Isto porque, pode ler-se no documento, o alargamento da escolaridade obrigatória associado à crise “tanto podem levar à manutenção dos jovens em contexto escolar como incentivar ao abandono por falta de expectativas”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório