Meteorologia

  • 08 AGOSTO 2020
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 31º

Edição

Infarmed: Reuniões "perderam utilidade". "Deixou de haver aconselhamento"

Marques Mendes defende que as reuniões no Infarmed com epidemiologistas devem regressar em setembro mas num modelo diferente, uma vez que o atual "perdeu utilidade".

Infarmed: Reuniões "perderam utilidade". "Deixou de haver aconselhamento"

O comentador da SIC dá razão ao líder do PSD no que toca às reuniões quinzenais no Infarmed cujo fim foi anunciado, pela voz do Presidente da República, na passada quarta-feira. "Acho que Rui Rio teve razão naquilo que disse", afirmou Marques Mendes no habitual espaço de comentário.

Ou seja, para o Conselheiro de Estado,  as sessões com epidemiologistas foram, no início, de "uma utilidade extraordinária", mas, entretanto, o modelo esgotou-se.

Na ótica de Marques Mendes,  que também assistiu às sessões com os peritos, as reuniões perderam utilidade porque "se juntaram muitos temas, muitos powerpoints, e deixou de haver, sobretudo, aconselhamento, pareceres, propostas ao Governo e ao poder político". 

Frisando que o modelo falhou, o comentador ressalvou não estar a apontar a responsabilidade aos epidemiologistas. 

Aliás, se fosse Marques Mendes a mandar, sugeriu, as reuniões continuariam em setembro mas num modelo novo. Isto é, uma reunião focada apenas num ou em dois temas, no máximo. O social-democrata defende que as sessões deviam fazer com que os técnicos se "concentrassem na tarefa de aconselhar". E, por fim, no entendimento do comentador, a comunicação social devia assistir às reuniões, podendo inclusive transmiti-las em direto.

Em todo o caso, Marques Mendes quis destacar um aspeto positivo na atuação do primeiro-ministro esta semana. "Deu sinais de mudar um pouco a sua atitude", disse, elogiando o facto de António Costa ter ido para o terreno visitar os concelhos mais afetados da Grande Lisboa. 

"Acho que isso é muito positivo, porque é preciso liderança e  vontade política. não vale a pena perder muito tempo a criticar as decisões dos outros países lá fora, elas podem ser injustas mas são o que são, temos é de trabalhar para fazer baixar os números. Esta mudança de atitude do primeiro-ministro é um bom sinal", resumiu. 

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório