Meteorologia

  • 04 JULHO 2020
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 34º

Edição

Marcelo, Felipe VI, Costa e Sánchez assinalam a reabertura da fronteira

Os chefes de Estado e de Governo de Portugal e de Espanha vão juntar-se hoje para assinalar a reabertura da fronteira, encerrada há três meses e meio, com cerimónias de alto nível em Badajoz e Elvas.

Marcelo, Felipe VI, Costa e Sánchez assinalam a reabertura da fronteira
Notícias ao Minuto

06:11 - 01/07/20 por Lusa

País fronteiras

Devido à pandemia de covid-19, por decisão conjunta, a fronteira luso-espanhola foi encerrada às 23h00 de 16 de março (00h00 de dia 17 em Espanha), com pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e a trabalhadores transfronteiriços, e reabriu às 23h00 desta terça-feira, (00h00 de hoje em Espanha).

As autoridades dos dois países ibéricos quiseram conferir especial simbolismo político a esta reabertura e organizaram cerimónias durante a manhã de hoje, nos dois lados da fronteira, com a participação do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, do rei de Espanha, Felipe VI, do primeiro-ministro português, António Costa, e do chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez.

De acordo com o programa oficial divulgado, realizar-se-á primeiro uma cerimónia no Museu Arqueológico de Badajoz, pelas 09h30 de Portugal (10h30 em Espanha), em que serão executados os hinos dos dois países e haverá uma fotografia de família. Quinze minutos mais tarde, decorrerá uma cerimónia semelhante, no Castelo de Elvas, no distrito de Portalegre.

A ministra espanhola da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, começou por anunciar uma reabertura da fronteira com Portugal para o dia 22 de junho, anúncio a que o Governo português reagiu com surpresa, tendo sido depois acertado o dia 01 de julho.

No domingo passado, em entrevista ao jornal catalão La Vanguardia, o primeiro-ministro português afirmou, referindo-se às cerimónias de hoje: "Vamos celebrar com toda a dignidade a abertura da nossa fronteira, a mais antiga da Europa, que com muita tristeza vimos fechada durante estes meses".

Espanha foi um dos países mais atingidos pela pandemia de covid-19, doença provocada por um novo coronavírus detetado em dezembro do ano passado no centro da China, e soma mais de 28 mil mortes, num total de cerca de 250 mil casos de infeção contabilizados.

Nas últimas semanas, o número de novas infeções e de mortes reportados baixou significativamente. De segunda para terça-feira, registaram-se em Espanha mais nove mortes e 99 novos casos, de acordo com o Ministério da Saúde espanhol.

Nas mesmas 24 horas, Portugal registou mais oito mortes e mais 229 infetados, totalizando agora 1.576 óbitos e um total de 42.141 casos de infeção contabilizados, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

A maioria dos novos casos tem surgido na Área Metropolitana de Lisboa, principalmente nos concelhos de Sintra, Amadora, Loures, Odivelas e Lisboa, o que levou o Governo a adotar medidas específicas, sobretudo para 19 freguesias, onde continua a vigorar o estado de calamidade, enquanto a maior parte do território nacional passou a estado de alerta.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, têm defendido que Portugal optou pela verdade na divulgação dos dados da covid-19 e têm assinalado que o país é um dos que realiza mais testes no espaço europeu.

Na atual conjuntura, Portugal e Espanha têm estado lado a lado na União Europeia, desde logo, em defesa de uma forte resposta económica e financeira às consequências da pandemia de covid-19.

Face à saída do ex-ministro português das Finanças português, Mário Centeno. presidência do Eurogrupo, que acontecerá em breve, António Costa admitiu apoiar a candidatura da ministra espanhola da Economia, Nadia Calvino, considerando importante que esse cargo "continue a ser desempenhado por um socialista".

O Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) marcou um protesto contra a energia nuclear e pelo encerramento da central espanhola de Almaraz para durante as cerimónias oficiais de hoje.

Também a associação ProToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia comunicou que vai fazer durante estas cerimónias um protesto contra as políticas do Governo português aplicadas aos espetáculos tauromáquicos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório