Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2021
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 28º

Edição

Deputados alertam que escolas precisam de preparar ano letivo

O PCP e o Bloco de Esquerda criticaram hoje o Ministério da Educação por falta de "uma estratégia concreta" que permita às escolas começarem a preparar-se para o regresso às aulas, em setembro.

Deputados alertam que escolas precisam de preparar ano letivo
Notícias ao Minuto

18:00 - 30/06/20 por Lusa

País Ensino

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou hoje no parlamento que o programa tutorial específico vai ser alargado ao ensino secundário e que haverá um novo pacote de 125 milhões de euros para reforçar a contratação de mais professores, funcionários e técnicos especializados no próximo ano letivo.

Durante uma audição do ministro na comissão parlamentar da educação, a deputada do PCP, Ana Mesquita, defendeu que "não basta falar genericamente", sendo necessário haver "uma estratégia concreta alicerçada em dados concretos. E isso está a faltar".

"O que vai ser feito, quando? Com que calendário?", questionou Ana Mesquita, dando como exemplo o anúncio de mais profissionais para as escolas sem que se tivesse percebido quando de que forma será feita essa contratação.

Poucos minutos antes também a deputada do BE, Joana Mortágua, lembrou que o mês de junho está a terminar e continua desconhecido o diploma que define as regras de organização do próximo ano letivo, que serve de orientação para os diretores escolares.

O ministro prometeu que "muito em breve" será publicado o diploma sobre a organização do próximo ano letivo, que está previsto começar entre 14 e 17 de setembro.

Sobre o anúncio de mais dinheiro para contratar profissionais, Joana Mortágua lembrou que "120 milhões é uma parte muito pequena do orçamento da Educação".

Também o PSD insistiu na sua intervenção inicial que é preciso conhecer o plano para o próximo ano letivo. "Tem nas mãos o futuro de 1,5 milhões de crianças e jovens. Deixemo-nos de propaganda mediática que tem feito omelete sem ovos", frisou a deputada Cláudia André.

O ministro anunciou ainda que o crédito horário das escolas será reforçado em 25% para assegurar aos agrupamentos que contratem mais professores ou técnicos para "apoios, coadjuvações ou desdobramentos durante todo o ano letivo".

O ministro voltou a garantir que o Governo está a trabalhar para que o regresso às aulas seja feito de forma presencial, mas que poderão existir "soluções mistas ou não presenciais", tendo em conta a evolução da pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório