Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Convívio deve evitar "demasiada proximidade" entre pessoas

A diretora-geral da Saúde alertou hoje que as "regras de convívio" para evitar o contágio da covid-19 são aplicáveis tanto ao vizinho como ao "concelho ou país do lado" e implicam evitar "demasiada proximidade" entre pessoas.

Convívio deve evitar "demasiada proximidade" entre pessoas
Notícias ao Minuto

17:16 - 22/06/20 por Lusa

País DGS

"O vírus circula. Por mais que se faça, vai haver casos. Recorrendo à analogia dos incêndios, nós somos a palha. Se o vírus se aproximar de nós, vai-nos contagiar. A única forma de evitar o contágio é minimizar o contacto com os outros. Daí também a importância da rapidez [na comunicação às autoridades], de não deixar arrastar sintomas", afirmou Graça Freitas na conferência de imprensa sobre a pandemia.

Questionada sobre a possibilidade de as férias, nomeadamente escolares, levarem a um aumento de casos, a responsável da Direção-Geral da Saúde (DGS) notou que "há regras de convívio, seja com o vizinho, com o concelho ou com o país do lado" e uma delas é que "diferentes grupos [de coabitantes] não devem conviver de perto".

"Não tenho qualquer problema em pedir às pessoas que se afastem de mim se achar que estão muito próximas. Porque posso contagiá-las ou porque me podem contagiar. Vejo pessoas a falar veementemente em direção ao outro e isso não é adequado. É precisa etiqueta respiratória", observou Graça Freitas.

A responsável da DGS lembrou ainda a regra de "evitar partilha física", sejam "abraços, beijos", seja a "proximidade" ou "troca de objetos".

óbvio que os grupos de jovens, deixando de estar na escola [devido às férias], passam a estar em outros locais. Mas há regras de convívio. Ninguém impede que as pessoas convivam. Mas com regras", frisou.

Graça Freitas ressalvou que o contágio não depende das férias, porque o distanciamento é "algo que se treina sem sair do bairro ou da vizinhança".

A responsável da DGS notou ainda que existem "cinco grupos de medidas" para evitar o contágio da covid-19.

"O distanciamento social, a higiene das mãos, o uso de máscara, a etiqueta respiratória a tossir, mas também a falar e a desinfeção das superfícies", descreveu.

"Isto é válido para qualquer freguesia", notou, respondendo a questões sobre a eventualidade de medidas específicas para as freguesias de alguns concelhos de Lisboa que, segundo anunciou hoje o primeiro-ministro, se vão manter em estado de calamidade independentemente da decisão a tomar para o território nacional.

Graça Freitas apelou ainda para "rapidez" na comunicação de sintomas às autoridades de saúde, e de casos, por parte de "médicos e laboratórios".

"Quanto mais rapidamente notificarem as autoridades, mais rapidamente se pode ir à procura dos seus contactos. E todos devem ficar em confinamento durante 14 dias", recomendou.

De acordo com a responsável, "prevenir, agir rapidamente e confinar" são "as grandes regras para minimizar o impacto de uma doença contagiosa como a covid-19".

O Governo vai aplicar a partir de terça-feira a toda a área metropolitana de Lisboa as principais novas medidas de confinamento obrigatório, designadamente as referentes a estabelecimentos e à imposição de um limite para ajuntamentos.

Portugal contabiliza pelo menos 1.534 mortos associados à covid-19 em 39.392 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório