Meteorologia

  • 25 SETEMBRO 2021
Tempo
21º
MIN 16º MÁX 23º

Edição

Vão ser criadas estruturas residenciais para idosas vítimas de violência

Três estruturas residenciais para idosas vítimas de violência doméstica vão ser criadas no norte, centro e sul do país com equipas especializadas com o objetivo de autonomizar quem é acolhido, segundo o jornal Público de hoje.

Vão ser criadas estruturas residenciais para idosas vítimas de violência
Notícias ao Minuto

08:38 - 15/06/20 por Lusa

País Idosos

De acordo com o jornal, nas três estruturas residenciais para idosas vítimas de violência doméstica - uma no Norte, outra no centro e outra no sul com 40 vagas cada uma -- vai ser testado um modelo específico para mulheres mais velhas.

A criação destas estruturas para idosas surge na sequência de um aumento do número de situações de violência doméstica em idosas durante o confinamento provocado pela pandemia de covid-19.

O jornal refere hoje, Dia Mundial de Consciencialização da Violência Contra a Pessoa Idosa, que a Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica duplicou o número de atendimentos, sendo que mais de mil envolveram mulheres com idades superiores a 65 anos.

A secretária de Estado para a Igualdade e Cidadania, Rosa Monteiro, citada pelo Público, diz que a média de atendimentos (presenciais e telefónicos) passou de 2.500 para 4.530 entre 11 e 24 de maio. O volume manteve-se na quinzena seguinte.

De acordo com os dados, entre 13 de abril e 07 de junho, houve 1171 atendimentos a mulheres dessa faixa etária. Ao mesmo tempo, 11 entraram em estruturas de acolhimento.

Na sequência da situação, a secretaria de Estado para a Igualdade e Cidadania anunciou o lançamento destes três projetos-pilotos que não serão estruturas de emergência, nem casas-abrigo.

As primeiras estão pensadas para acolher vítimas de violência doméstica até 15 dias (no máximo, 30 dias) e as segundas até seis meses (no máximo de um ano).

Rosa Monteiro disse também que as estruturas de emergência tentam ajudar as vítimas a restabelecer o equilíbrio emocional e psicológico, as casas-abrigo têm também de as ajudar "a tornarem-se autónomas".

As estruturas residenciais para idosas terão 40 vagas cada uma e terão equipas preparadas para lidar com vítimas de violência doméstica vulneráveis em função da idade.

"Ainda não está definido (...). A ideia é que não haja um prazo. Vamos lançar estes três pilotos para perceber a metodologia adequada", disse a secretária de Estado.

Rosa Monteiro não adiantou que verba está em causa.

"Estamos a fechar. São consórcios com municípios e organizações da sociedade civil", refere, sem dizer quais.

De acordo com a secretária de Estado, foi encontrado financiamento na reprogramação dos fundos comunitários.

"Usarão verbas destinadas à recuperação do edificado, no âmbito dos programas operacionais regionais. O funcionamento resultará de acordos de cooperação com a Segurança Social", disse.

Estas três estruturas integrarão a Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório