Meteorologia

  • 06 JULHO 2020
Tempo
32º
MIN 19º MÁX 37º

Edição

Uma centena de trabalhadores junto à AR para exigir subsídio de risco

Quase uma centena de trabalhadores da administração local estão concentrados desde as 10h00 junto à Assembleia da República, onde hoje é discutida a regulamentação e aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco, disse fonte sindical.

Uma centena de trabalhadores junto à AR para exigir subsídio de risco
Notícias ao Minuto

11:46 - 05/06/20 por Lusa

País STAL

"Os trabalhadores estão concentrados para exigir a regulamentação e aplicação do suplemento de insalubridade, penosidade e risco, tal como consta da petição que o sindicato promoveu há mais de um ano e que hoje sobe ao plenário", disse à Lusa, cerca das 10h30 o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins (STAL).

José Correia adiantou que os trabalhadores estão concentrados para dar visibilidade à situação e na expectativa de saber como vai acabar a discussão na Assembleia da República (AR), em Lisboa.

A AR discute hoje a petição lançada pelo STAL há mais de um ano, que reuniu mais de 16 mil assinaturas, e três projetos de lei sobre o suplemento de insalubridade, penosidade e risco.

"A petição do STAL provocou o agendamento na AR e agora temos três diplomas do PCP, PEV e BE que vão ser apresentados, discutidos e votados. Não temos ilusões, mas podem sair daqui condições políticas para se poder aprovar uma regulamentação que possa ser estendida à administração local num mais curto espaço de tempo, ou seja, pode não ter o epílogo hoje, mas pode ter desenvolvimentos", disse.

O STAL quer que o Governo reconheça as condições de insalubridade, penosidade e risco a que estão sujeitos os trabalhadores que asseguram serviços essenciais e lhes atribua o respetivo subsídio.

"São milhares os trabalhadores que continuam a assegurar serviços indispensáveis à salvaguarda da saúde pública e à qualidade de vida das populações, expondo-se a riscos acrescidos sem qualquer tipo de compensação suplementar", sublinhou.

José Correia contou à Lusa que a "história deste suplemento é longa".

"Este subsídio, correspondente a 20% da remuneração base, está definido na lei desde 1998, mas não chegou a entrar em vigor porque nunca foi regulamentado", explicou.

O presidente do STAL salientou que nos serviços e empresas de recolha e tratamento de lixo, higiene urbana, jardinagem, cemitérios, manutenção de infraestruturas de água e saneamento, entre outros, o desempenho de funções "acarreta riscos inevitáveis para a saúde e a própria vida dos trabalhadores, independentemente do uso de equipamentos de proteção adequados".

"Num contexto de pandemia este problema ainda é mais grave", disse, acrescentando que os trabalhadores "não vão desistir, mesmo que não haja desenvolvimentos hoje na AR".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório