Meteorologia

  • 18 MAIO 2021
Tempo
19º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Seis em cada 10 pessoas admitem fricção familiar durante confinamento

Seis em cada 10 pessoas que coabitam com outras têm passado "por algumas situações de fricção" sobretudo devido à partilha de tarefas domésticas ou por estarem confinados no mesmo espaço o dia inteiro, mostra um estudo da Deco Proteste.

Seis em cada 10 pessoas admitem fricção familiar durante confinamento
Notícias ao Minuto

08:01 - 27/04/20 por Lusa

País DECO

Este é um dos resultados do último inquérito realizado pela Deco - associação de defesa do consumidor relacionado com o impacto da pandemia covid-19 na população.

Sobre as alterações no ambiente em casa, o inquérito, realizado entre os dias 17 e 20, revela que 60% dos inquiridos que coabitam com outras pessoas afirmam ter passado "por algumas situações de fricção, sobretudo, devido à partilha de tarefas domésticas ou por estarem no mesmo espaço durante todo o dia".

"As diferenças de opinião sobre as medidas de prevenção da covid-19 a adotar são outros rastilhos incendiários" e, nos agregados com crianças, "o acompanhamento escolar é também é foco de conflito, segundo 28% dos inquiridos", indica a Deco.

Por outro lado, 45% dos portugueses que coabitam com outros revelam que as restrições à mobilidade tiveram um impacto positivo no relacionamento familiar, sobretudo em agregados que incluem casais com filhos menores.

"O bom ambiente familiar é útil, mas não elimina as mazelas na saúde provocadas pelo confinamento", indica a associação, apontado que seis em cada 10 inquiridos, com destaque para as mulheres, assinalaram que as restrições à mobilidade prejudicam o seu bem-estar psicológico.

O medo de contrair covid-19 impediu, por sua vez, que um quarto dos inquiridos que tiveram um problema grave de saúde se deslocassem ao hospital, arriscando-se a que a situação evoluísse sem retorno.

A falta de atividade física e a ingestão de maior quantidade de comida, incluindo 'snacks' doces e salgados foi referida por 39% dos portugueses inquiridos pela associação de defesa do consumidor.

Seis em cada 10 afirmam ir menos vezes ao supermercado pessoalmente, sendo que 49% diz frequentar menos os mercados tradicionais e 44% o comércio local.

"Por terem maior disponibilidade ou já fruto da redução dos rendimentos, cerca de um quinto dos inquiridos presta, agora, mais atenção aos preços dos produtos, e um terço afirma aproveitar sobras de refeições anteriores", diz a Deco.

A grande maioria (oito em cada 10) revela não desperdiçar comida, quase o triplo dos que o faziam no início deste ano.

Apenas 6% dos inquiridos afirmam não ter saído de casa uma única vez na última semana.

Segundo a Deco, "a grande maioria saiu para comprar alimentos, medicamentos ou outros produtos, sendo que quatro em cada 10 o fez mais do que uma vez por semana".

Quase metade foi passear ou correr nas redondezas da habitação, conforme previsto nas medidas do estado de emergência, mas 10% saiu da sua área de residência.

"Os prevaricadores são, sobretudo, os mais jovens, entre os 18 e os 30 anos" e são também os que "mais contrariam a regra de evitar os contactos sociais" já que cerca de um quarto confessou ter saído para se encontrar com familiares ou amigos.

Na população em geral, 12% tiveram o mesmo comportamento, segundo o estudo.

"Quem vive sozinho também é mais propenso a quebrar o isolamento, arriscando o contágio", pelo que a Deco defende que deve ser feita "alguma reflexão numa altura em que se fala em levantar as restrições impostas pelo estado de emergência".

O inquérito da Deco foi realizado entre 17 e 20 de abril através de um questionário 'online', tendo a associação recebido 1.008 respostas e segue-se a um outro, publicado em meados de março, que concluía que o prejuízo total das famílias devido à pandemia rondava naquela altura os 1,4 mil milhões de euros.

O estudo publicado hoje pela Deco Proteste revela que quase 60% da população ativa está a sofrer redução de rendimentos devido à perda de emprego ou à diminuição do trabalho como consequência da pandemia covid-19.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 204 mil mortos e infetou mais de 2,9 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Perto de 800 mil doentes foram considerados curados.

Em Portugal morreram 903 pessoas das 23.864 confirmadas como infetadas, e há 1.329 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), encerraram o comércio não essencial e reduziram drasticamente o tráfego aéreo, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Face a uma diminuição de novos doentes em cuidados intensivos e de contágios, alguns países começaram, entretanto, a desenvolver planos de redução do confinamento e em alguns casos, como Dinamarca, Áustria, Espanha ou Alemanha, a aliviar algumas das medidas.

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2021 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório